Críticas de Teixeira não abalam seleção

As críticas que o presidente da CBF fez ao comportamento da seleção Sub-23 no jogo diante do Chile - disse que faltou garra e atacou o excesso de reclamações contra o árbitro argentino Cláudio Martin - chegaram rapidamente ao Chile. Os jogadores, escaldados pela bronca que haviam levado por causa do episódio em que Robinho abaixou o calção de Diego na sessão de fotos para o credenciamento, evitaram dar declarações comprometedores sobre o assunto. Mas o técnico Ricardo Gomes se sentiu no direito de discordar parcialmente de Ricardo Teixeira."Cada pessoa tem a sua opinião e respeito todas, mas não acho que faltou empenho contra o Chile. Pelo contrário, lutamos até o último minuto para tentar a vitória que nos colocaria no quadrangular final. É óbvio que se não vencemos é por ter faltado algum coisa, mas com certeza empenho é que não foi", disse o treinador da seleção que disputa o Pré-Olímpico.Depois do jogo de quinta-feira, Ricardo Gomes afirmou que faltou sorte para o time fazer o gol que garantiria os três pontos e a passagem direta para o quadrangular final do Pré-Olímpico. Como só empatou com o Chile, o Brasil fará a repescagem contra a Colômbia, neste domingo, às 18 horas (horário de Brasília).Ricardo Gomes contou ter conversado por telefone com o presidente da CBF e revelou que foi uma "conversa normal". Ele concordou com a análise técnica que Ricardo Teixeira fez da partida de quinta-feira. "O presidente achou que o time fez um ótimo primeiro tempo e caiu no segundo. Isso coincide com o que eu disse na coletiva, logo depois do jogo, e com a opinião de quase todo mundo que viu a partida", avaliou o treinador.Com relação à "indisciplina" apontada pelo dirigente, que custou a suspensão de dois titulares importantes como Diego e Fábio Rochemback, o técnico tratou de defender os seus garotos. "Na intensidade da partida, ainda mais uma decisiva como foi aquela com o Chile, às vezes o jogador perde o controle numa fração de segundos e toma uma decisão errada. Não é o ideal, mas acontece."O goleiro Gomes resumiu o pensamento dos jogadores sobre as críticas de Ricardo Teixeira com uma declaração politicamente correta. "O presidente tem todo o direito de criticar e nos cobrar. Não ficamos chateados com isso nem achamos que nossa responsabilidade aumentou para o jogo contra a Colômbia. Recebemos a opinião dele da melhor maneira possível."

Agencia Estado,

17 de janeiro de 2004 | 12h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.