Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Críticas e desempenho ruim do time deixam Carille pressionado no Corinthians

Técnico tem criticado atuações da equipe nesta temporada e já foi alvo de protestos da torcida

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2019 | 04h30

O desempenho abaixo do esperado nos últimos jogos, a chance iminente de deixar o G-4 do Campeonato Brasileiro e as críticas feitas ao elenco em entrevistas após as partidas deixaram o técnico Fábio Carille pressionado no Corinthians. A equipe não vence há três rodadas, com dois empates e uma derrota no clássico com o São Paulo, mas ainda ocupa a parte de cima da tabela, em quarto lugar.

Após o jogo no Morumbi, domingo, com derrota de 1 a 0, o diretor de futebol do Corinthians Duílio Monteiro Alves garantiu o treinador para a próxima temporada, mas afirmou que espera melhores atuações da equipe ainda neste ano. "Sim (ele continua para 2020). A gente tem de trabalhar para melhorar sempre. O elenco do Corinthians é bom, mas não vem fazendo bons jogos e precisamos melhorar isso (ainda em 2019)", disse o dirigente. O presidente Andrés Sanchez não é de mudar treinador em meio ao ano vigente. No passado ele manteve Tite mesmo após eliminação precoce na Libertadores e isso, mais tarde, provou-se uma decisão acertada. 

Ocorre que o clima piorou no Corinthians com as declarações de Carille ainda após a eliminação na semifinal da Copa Sul-Americana diante do Independiente Del Valle, do Equador. O técnico culpou a falta de experiência de alguns jogadores, referindo-se a Pedrinho e a Mateus Vital. Isso não teria caído bem no vestiário.

Outras declarações polêmicas e que não pegaram bem aconteceram após o empate por 2 a 2 com o Athletico-PR, na semana passada. Carille apontou carências no elenco e disse que precisava de reforços com mais ambição. Ele também citou que o clube não conseguiu contratar Rodriguinho, Roger Guedes e Gabigol quando teve oportunidade. Dentro do vestiário, essas palavras soaram como desdém ao elenco atual.

Carille afirmou que a equipe não mereceria estar no G-4 pelo nível das atuações no Campeonato Brasileiro. Além disso, o técnico comentou que o time não fez nem dez jogos bons ao longo desta temporada. No primeiro semestre, o Corinthians conquistou o Paulistão. Domingo o treinador foi rebatido pelo zagueiro Gil sobre o merecimento de a equipes estar na parte de cima da tabela. Carille disse que o Corinthians não merecia a posição. Gil disse o contrário. 

No mês passado, Carille foi alvo de protesto da principal organizada do clube pela primeira vez em suas duas passagens. O treinador foi chamado de retranqueiro e depois ironizou as críticas. Com Carille pressionado, o Corinthians volta a treinar nesta terça-feira, no CT Joaquim Grava, antes da viagem para Goiânia. A partida diante do Goiás será na quarta, às 21h30, no Serra Dourada, pela 26ª rodada do Brasileirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.