Cruz Azul: atletas repudiam demissão

Os jogadores do Cruz Azul se ?rebelaram? nesta quarta-feira contra a decisão tomada no dia anterior pelo presidente do clube, Guilhermo Alvarez, de demiti-los por causa de um jejum de quatro meses e nove jogos sem vitórias no Campeonato Mexicano. Eles não aceitam a demissão nem a proposta feita pelo dirigente, de renegociar seus contratos por valores mais baixos que os atuais. Querem que tudo continue como está e acreditam ter um trunfo: o time está disputando a Libertadores (no grupo do Corinthians) e não teria, pelo regulamento, como inscrever outros atletas. ?Não vamos aceitar essa rescisão contratual?, disse o uruguaio Sebastián Abreu, atacante e porta-voz do elenco. Ele garantiu que os líderes do time estão conversando com os dirigentes. ?Para buscar uma solução para que todos fiquemos contentes e possamos buscar o objetivo que nos interessa.? Alvarez, porém, não se mostra disposto a voltar atrás. Continua apostando que os jogadores concordarão em assinar novos contratos. O dirigente assegura que o Cruz Azul pode, com base no regulamento, disputar o restante do Mexicano com o time de juniores e acredita que, em relação à Libertadores, poderá negociar uma solução. ?Sei de todos os riscos que corremos, mas há coisas que podem ter causas de força maior.? Em meio à confusão, Alvarez apresentou nesta quarta-feira o novo técnico. É Enrique Meza, que substitui Mario Carrillo, também demitido. Meza aposta em sua longa história no clube (29 anos, como goleiro e depois treinador) para acabar com a crise. ?Tenho muita confiança de que tudo pode mudar?, acredita. Ele pediu ao presidente para que seja mais flexível com os atletas. A estréia de Alvarez será domingo, contra o Pumas. Por enquanto, ele nem imagina qual time poderá escalar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.