Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Cruzeirense Diego Silva quer esquecer fiasco no Flamengo

O atacante Diego Silva está feliz com a primeira oportunidade de atuar no time principal do Cruzeiro, e espera corresponder à expectativa depositada pelo técnico Paulo Autuori, que pediu sua integração, depois de uma passagem sem brilho pelo Flamengo."A gente sempre sonha em jogar aqui, e agora o sonho tem que se tornar realidade. Vou dar conta do recado com muita humildade. Rodei um pouco e tinha como meta voltar para o Cruzeiro, um grande clube", disse o jogador, que foi para o Ipatinga no começo de 2005, mas passou quase o ano todo sem jogar por causa de uma cirurgia na coluna.No ano passado, ele permaneceu no clube no primeiro semestre, participando das campanhas do vice-campeonato mineiro e das semifinais da Copa do Brasil. Depois, foi para o Flamengo, mas teve poucas oportunidades e voltou ao Ipatinga, sendo fundamental para o acesso à Série B do Brasileiro. Agora, não tem medo da concorrência no Cruzeiro, que contratou três atacantes neste início de ano: Pedro Júnior, Nenê e Rômulo. "Tenho de respeitar os companheiros que chegaram e cumprir a meta de me firmar no futebol, porque minha família depende de mim", disse.Para Autuori, os jogadores do Cruzeiro devem colaborar para que o time tenha "excelência" no trabalho. "Precisamos dar resposta às boas condições de trabalho que o Cruzeiro nos dá, em termos de organização e estrutura", afirmou o treinador, já avisou: o esquema tático 3-5-2 está fora de seus planos."É um esquema ultrapassado, que o Brasil foi descobrir quando estava no final e hoje virou um modismo aqui", opinou o técnico, que não hesitou em usar esse esquema, no entanto, quando levou o São Paulo aos títulos da Libertadores e do Mundial de Clubes, em 2005. Naquela vez, porém, ele substituiu Emerson Leão no meio da temporada. "A partir do momento em que estou iniciando um trabalho, acho que o 4-2-2 e o 4-3-3 dão muito mais variantes táticas", justificou.

Agencia Estado,

04 de janeiro de 2007 | 17h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.