Cruzeirenses adotam discurso cauteloso

Coerente com o discurso cauteloso adotado por todos no Cruzeiro, o lateral-direito Maurinho sustenta que o Santos não está morto e é ainda a maior ameaça ao inédito título de campeão brasileiro do time celeste, apesar dos 12 pontos que separam as duas equipes, respectivamente, líder e vice-líder da competição. "Conheço a equipe do Santos. O Santos dentro da Vila e fora dela costuma ganhar muitos pontos e se a gente começar a vacilar, eles encostam", afirmou o atleta, campeão brasileiro no ano passado pela equipe da Baixada e um dos destaques da vitória por 1 a 0 do Cruzeiro sobre o seu maior rival, o Atlético-MG, no último domingo. Após o jogo, o técnico Vanderlei Luxemburgo voltou a salientar que, matematicamente, o time ainda não ganhou nada. Agora, ele calcula que restam seis partidas para a equipe assegurar a taça. "Temos 10 jogos e com 12 pontos de vantagem a gente elimina quatro e ficam faltando seis jogos. Se alcançarmos 70% dos jogos restantes, com certeza o Cruzeiro será campeão". A vitória no clássico mineiro foi comemorada pelos torcedores celestes como um título antecipado, com um grande buzinaço pela capital mineira.Neste domingo foi um dia de folga geral na Toca da Raposa II. Os jogadores se reapresentam nesta terça-feira e Luxemburgo começará a preparação para o próximo compromisso da equipe, contra o Juventude, no próximo domingo, no Mineirão. O zagueiro Cris e o volante Maldonado receberam o terceiro cartão amarelo e cumprem suspensão automática. O treinador ainda não sabe se contará com a volta do atacante Aristizábal, que, com uma entorse no joelho direito, ficou de fora do último jogo. "Pro inferno" - O atacante do Atlético, Alex Alves, que no clássico fraturou o nariz após levar uma cotovelada no rosto do zagueiro Edu Dracena, não aceitou o pedido de desculpas do jogador cruzeirense. Se dizendo revoltado com a atitude do companheiro de profissão, o atacante sugeriu que poderia ter usado no lance seus conhecimentos de capoeira."Em vez de ir com a cabeça, eu poderia ter ido com o pé e machucado ele", disse. A cotovelada tirou Alex Alves do jogo, aos 16 minutos do primeiro tempo. Dracena recebeu cartão amarelo pelo lance. Após a partida, ao saber da contusão do atacante, ele pediu desculpas e se defendeu dizendo que não é um jogador "maldoso". "Eu já tinha cabeceado e depois ele chegou com o cotovelo em cima de mim. Ele não poderia ter feito isso porque o lance já tinha acabado", reagiu Alex Alves, que lamentou não apenas a lesão mas também o fato de ter saído do jogo. "Isso me revolta e o cara vem me pedir desculpa. Vá pro o inferno".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.