Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Cruzeiro acerta renovação contratual do uruguaio Arrascaeta até 2021

Multa rescisória do jogador agora será de R$ 120 milhões

Estadão Conteúdo

20 de fevereiro de 2018 | 15h18

O torcedor do Cruzeiro recebeu uma ótima notícia nesta terça-feira. Um dos destaques do elenco, o meia uruguaio Arrascaeta acertou a renovação de seu contrato com o clube por mais dois anos. O vínculo anterior ia até 2019 e foi prorrogado até dezembro de 2021, com opção de ampliação automática por mais um ano.

+ Henrique nega ansiedade do Cruzeiro por estreia na Libertadores

"Estou muito contente, muito feliz de poder renovar meu contrato com o Cruzeiro. Continuaremos trabalhando juntos para conquistar ainda mais títulos importantes com essa camisa", disse o uruguaio ao site do clube.

Arrascaeta vinha negociando a renovação com o Cruzeiro nos últimos dias e definiu o acordo em reunião nesta terça com o presidente Wagner Pires de Sá, o vice-presidente de futebol Itair Machado, o vice-presidente jurídico Fabiano de Oliveira Costa, além de seus empresários. O uruguaio recebeu aumento salarial, que resultou na ampliação de sua multa rescisória para R$ 120 milhões.

"Acho que isso é sinal de um bom trabalho, de que as coisas têm sido feitas da melhor maneira. Seguir em um clube grande aqui no Brasil é muito importante para mim. Vou continuar trabalhando sério sempre, manter a mesma forma, para dar o meu melhor ao clube", declarou.

Para renovar com Arrascaeta, o Cruzeiro encaminhou um acordo com o clube anterior do atleta, o Defensor Sporting, por uma dívida estabelecida na aquisição do meia. O time uruguaio inclusive deverá retirar a ação junto à Fifa que movia contra o lado celeste.

Arrascaeta é o estrangeiro que mais vestiu a camisa do Cruzeiro na história, com 147 gols. São 36 gols marcados defendendo as cores do clube. O meia é, atualmente, titular absoluto de Mano Menezes, além de brigar por um lugar na seleção uruguaia na Copa do Mundo da Rússia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.