Cruzeiro cede empate no fim do jogo e leva vaias no Mineirão

Com 4 pontos, equipe está em situação complicada no Grupo 5 da Libertadores

Felipe Rosa Mendes, Agência Estado

21 de março de 2014 | 00h17

BELO HORIZONTE - Sob vaias, o Cruzeiro deixou o gramado do Mineirão na noite desta quinta-feira após ceder o empate por 2 a 2 com o Defensor, em rodada do Grupo 5 na Copa Libertadores. O atual campeão brasileiro chegou a abrir 2 a 0 no placar, mas cedeu a igualdade aos 48 minutos do segundo tempo, irritando seus torcedores.

O novo tropeço na competição sul-americana deixou a equipe mineira em situação muito complicada na chave. Para avançar às oitavas de final, o Cruzeiro terá que vencer seus dois jogos restantes e torcer por uma combinação de resultados.

Com apenas uma vitória em quatro jogos (tem ainda duas derrotas e um empate), o time soma quatro pontos e ocupa o terceiro lugar do grupo. Está atrás do líder Universidad de Chile, com nove, e do próprio Defensor, com sete. Se tivesse vencido nesta quinta, só dependeria de si mesmo para obter a classificação.

Agora, o Cruzeiro só voltará a jogar pela Libertadores no dia 3 de abril, em Santiago, contra o Universidad de Chile, pela penúltima rodada do Grupo 5.

O JOGO

Cruzeiro e Defensor fizeram um primeiro tempo típico de um jogo de Libertadores. Após perder na rodada passada, para o próprio time uruguaio, o time mineiro tentava acelerar o jogo, enquanto o visitante apostava na catimba e nas faltas para parar a partida e irritar os anfitriões na tentativa de ao menos deixar o Mineirão com um empate.

A postura deu certo no início e o Defensor conseguiu paralisar o jogo por alguns momentos, causando a intervenção do árbitro. Nervoso em campo, o Cruzeiro tinha dificuldade em impor seu futebol no meio-campo e jogava na base da correria para surpreender a defesa uruguaia. Foi assim que Ricardo Goulart quase abriu o placar aos 12 minutos, em finalização defendida pelo goleiro Campaña.

Aos 26, Julio Baptista emendou chute perigoso de fora da área e mandou por cima do travessão. Dez minutos depois, Everton Ribeiro mandou de cabeça e o goleiro evitou o gol. E, aos 34, foi a vez de Dagoberto criar boa chance ao mandar rente à trave. Do outro lado, a única oportunidade surgiu em cobrança de falta do brasileiro Felipe Gedoz. Fábio pulou no canto para fazer a defesa.

A crescente tensão entre brasileiros e uruguaios culminou em um desentendimento geral, que quase virou briga entre jogadores dos dois times. Acalmados os ânimos, Everton Ribeiro bateu falta com categoria e acertou o ângulo direito, sem dar chance para Campaña, aos 49 minutos.

Sem perder o embalo no intervalo, o Cruzeiro se manteve no ataque e criou duas boas chances antes dos 10 minutos, com Everton Ribeiro e Ricardo Goulart. Julio Baptista não deixou por menos e marcou o segundo gol dos anfitriões. Aos 16, ele avançou pela esquerda, cortou o marcador e bateu no canto: 2 a 0.

A resposta do Defensor, contudo, foi imediata. Aos 20, Felipe Gedoz recebeu na esquerda, foi até a linha de fundo e bateu no cantinho entre o goleiro Fábio e o pé da trave. Gedoz havia sido o herói do time uruguaio na rodada passada, quando marcou os dois gols do Defensor no triunfo sobre o Cruzeiro em Montevidéu.

O Cruzeiro, contudo, seguia controlando a partida, mas exibia pouco poder ofensivo. Em uma das poucas chances perigosas criadas na etapa Julio Baptista arriscou de bicicleta e quase mandou para as redes, aos 29. As entradas de Willian e Élber quase não alteraram o panorama do duelo.

O Defensor, por sua vez, continua acreditando, apostando nos contra-ataques. Em um deles, Arrascaeta viu Luna surgir pela esquerda. Ele invadiu a área e cruzou para Zeballos encher o pé quase dentro da pequena área. A bola acertou no travessão antes de balançar as redes, aos 48 minutos do segundo tempo, confirmando novo tropeço da equipe mineira.

FICHA TÉCNICA:

CRUZEIRO 2 x 2 DEFENSOR

CRUZEIRO - Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Egídio; Nilton e Lucas Silva, Everton Ribeiro (Willian), Ricardo Goulart (Elber) e Dagoberto (Rodrigo Souza); Julio Baptista. Técnico: Marcelo Oliveira.

DEFENSOR - Martín Campaña; Emilio Zeballos, Nicolás Correa, Matías Malvino, Robert Herrera; Mathías Cardaccio, Federico Gino, Andrés Fleurquin (Juan Amado), Felipe Gedoz (Adrián Luna), Giorgian de Arrascaeta; Matias Alonso (Gastón Silva). Técnico: Fernando Curuchet.

GOLS - Everton Ribeiro, aos 49 minutos do primeiro tempo. Julio Baptista, aos 16, e Felipe Gedoz, aos 20, e Zeballos, aos 48 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Zeballos, Correa, Bruno Rodrigo, Dagoberto.

CARTÕES VERMELHOS - Nilton e Malvino.

ÁRBITRO - Mauro Vigliano (Argentina).

RENDA - R$ 1.284.320,00.

PÚBLICO - 37.310 pagantes (39.983 no total).

LOCAL - Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.