Cruzeiro critica Anaf e ataca chefe da arbitragem da Federação Mineira

Dois dias após vencer o Atlético-MG no clássico mineiro, a diretoria do Cruzeiro veio a público nesta terça-feira para criticar a Comissão de Arbitragem da Federação Mineira de Futebol e a Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf). O clube rebateu comentários de que teria sido beneficiado pelo árbitro Emerson Ferreira de Almeida na vitória por 1 a 0 sobre o arquirrival e defendeu o resultado de domingo.

Estadão Conteúdo

29 de março de 2016 | 19h25

"O Cruzeiro venceu por muito mérito da comissão técnica, do elenco de jogadores, pela atitude e o que trabalharam na semana toda. Esse é o grande incômodo para nós que estamos direcionando demais a discussão e esquecendo do trabalho dos nossos profissionais, pelo horário, condições climáticos, fizemos um bom jogo, vencemos jogando um bom futebol", afirmou o diretor de futebol do Cruzeiro, Thiago Scuro.

Scuro explicou por que o time pediu uma arbitragem de fora do estado para o clássico mineiro. "Não é por não acreditar na arbitragem que pedimos árbitro Fifa, mas sim para preservar os daqui. O Emerson é um bom árbitro, com muito potencial, mas não tem escudo Fifa. Pedimos árbitro Fifa pela grandeza do clássico. Qualquer profissional dentro do estado de Minas Gerais tem algum histórico ou emocional relacionado à grandeza do clássico", declarou.

O pedido do Cruzeiro gerou rápida repercussão e a Anaf emitiu nota questionando a solicitação de um trio de fora de Minas Gerais. Nesta terça, Scuro também criticou a suposta interferência da entidade no caso. "A Anaf não recruta árbitro, não contrata árbitro. Quando ela, presidida por um paranaense, se posiciona falando de problemas internos do Cruzeiro, pesamos: como ela pode falar isso?", questionou.

Scuro e o vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Bruno Vicintin, também dispararam contra Giuliano Bozzano, presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Mineira. Apesar de considerarem a arbitragem regular no clássico de domingo, sem favorecimentos para nenhum dos lados, eles criticaram a atuação de Bozzano. "Estamos preocupados com o Giuliano Bozzano. Quando um erro ajuda nosso rival nada acontece e, quando acontece erros para os dois lados, o árbitro é punido", disse Vicintin.

"O Cruzeiro acha que não foi prejudicado e muito menos ajudado. Ganhamos o clássico na bola. Estou muito preocupado com mensagem que vem sendo passada pela arbitragem mineira. Qualquer polêmica, você é punido. Se ele é chefe da arbitragem e não vê o certo ali na beirada do campo, como pode cobrar do árbitro? O Cruzeiro está preocupado com o andamento disso para as semifinais e final do campeonato", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.