Gustavo Aleixo/Cruzeiro
Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Com reviravolta, gestores do Cruzeiro decidem pela permanência de Adilson

Dada como certa no fim da manhã desta quinta-feira, demissão do treinador não se concretiza

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

12 de março de 2020 | 16h24

A situação do técnico Adilson Batista no Cruzeiro sofreu uma reviravolta. Dada como certa no fim da manhã, a sua demissão não se concretizou. Em contato com a reportagem do Estado, o presidente do Núcleo Dirigente Transitório, Saulo Fróes, garantiu que o treinador seguirá à frente do time, apesar dos recentes resultados ruins.

A decisão pela permanência de Adilson foi tomada em reunião realizada com os membros do conselho  que gere o futebol do Cruzeiro, dirigentes e investidores. O treinador se reuniu com os dirigentes na Toca da Raposa II e definiu a sua permanência à frente do clube.

Adilson ficou sob pressão no Cruzeiro após a dura derrota por 2 a 0 para o CRB, na noite de quarta-feira, no Mineirão, no jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. Foi esse resultado que provocou o encontro entre os dirigentes do Cruzeiro para definir a situação do treinador.

O Cruzeiro venceu apenas uma das últimas nove partidas, mas a avaliação no clube é de que Adilson ainda não teve tempo para montar um time competitivo porque alguns reforços ainda nem estrearam pelo clube, como os zagueiros Marllon e Ramon - o volante Jean, que chegou do Palmeiras, só entrou em campo aos 42 minutos do segundo tempo do clássico contra o Atlético-MG.

Além disso, das poucas peças que permaneceram da temporada 2020, os meio-campistas Ariel Cabral e Robinho ainda nem puderam ser aproveitados pelo treinador. Assim, há a expectativa de que Adilson consiga montar um time mais forte quando essas peças estiverem disponíveis. Ainda assim, o treinador segue pressionado. 

A segunda passagem de Adílson pelo Cruzeiro se iniciou quando faltavam três rodadas para o encerramento do Campeonato Brasileiro de 2019. Ele não conseguiu evitar o rebaixamento da equipe, perdendo todos os últimos compromissos na competição.

Ainda assim, seguiu à frente do Cruzeiro para a temporada 2020. Com um elenco bastante reformulado em comparação ao do ano passado, principalmente por causa da saída dos seus principais nomes, precisou apostar em um time que tem como base jogadores formados no próprio clube.

Os resultados, porém, não vinha sendo bons, tanto que o Cruzeiro está fora da zona de classificação às semifinais do Campeonato Mineiro - é apenas o quinto colocado. E com a derrota para o CRB no Mineirão, ficou em situação bastante complicada para avançar à quarta fase da Copa do Brasil.

No total, o Cruzeiro soma quatro vitórias, quatro empates e seis derrotas na segunda passagem de Adílson pelo clube. A anterior foi entre 2007 e 2010, com a conquista de dois títulos estaduais, em 2008 e 2009, além do vice-campeonato da Copa Libertadores também em 2009.

Com Adilson no banco de reservas, o Cruzeiro voltará a jogar no domingo, quando vai encarar o Coimbra, pela nona rodada do Campeonato Mineiro, no Independência. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.