Cruzeiro derrota Universitario, dá resposta à torcida e avança em 1º no Grupo 3

O Cruzeiro se reabilitou da eliminação no Campeonato Mineiro com uma vitória convincente sobre o Universitario de Sucre, por 2 a 0, na noite desta terça-feira, no Mineirão. Com a vitória e o resultado favorável na outra partida da chave, o time brasileiro conquistou a vaga nas oitavas de final da Copa Libertadores e ainda garantiu a primeira colocação do Grupo 3.

FELIPE ROSA MENDES, Estadão Conteúdo

21 de abril de 2015 | 22h33

A boa apresentação no Mineirão devolveu à torcida a confiança, abalada pela virada que levou do arquirrival Atlético-MG na semifinal do Estadual, no domingo. Foi o segundo tropeço seguido da equipe, que vinha de derrota também na Libertadores. A série negativa levou torcedores e parte da imprensa a contestar o trabalho do técnico Marcelo Oliveira, bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro.

A expectativa para o duelo decisivo desta terça era grande por ser realizado na mesma situação difícil do jogo anterior, no qual o Cruzeiro perdeu para o Huracán por 3 a 1. Assim como acontecera naquela partida, o time brasileiro entrou em campo com tempo de descanso insuficiente - com pouco mais de 48 horas de intervalo entre o jogo de domingo e o de terça. Contra o Huracán houve o agravante da viagem até a Argentina.

Desta vez, o Cruzeiro teve a vantagem de jogar em casa. E não decepcionou. Apesar do cansaço e da crescente desconfiança da torcida, o time de Marcelo Oliveira dominou o Universitario desde o início, furou a retranca e venceu com certa tranquilidade, sob os gritos de "olé" das arquibancadas. Terminou assim na 1ª colocação do Grupo 3, com 12 pontos, contra 9 do Universitario de Sucre, também classificado.

O Huracán, algoz do Cruzeiro na rodada passada, decepcionou ao ser superado por 3 a 0 pelo já eliminado Mineros. Se tivesse vencido, avançaria às oitavas de final. Acabou apenas na terceira colocação, com 7 pontos. O Mineros ficou com quatro após sua primeira e única vitória.

O JOGO - Nem parecia que o Cruzeiro vinha de uma dura eliminação no Campeonato Mineiro e de uma sequência desgastante de jogos nas últimas semanas. Desde o apito inicial, o time mineiro impôs forte ritmo contra o Universitario de Sucre, mesmo sem contar com Leandro Damião, seu principal atacante na temporada até agora.

Sem o centroavante, machucado, coube a Willian liderar o setor ofensivo cruzeirense, que partiu para cima da defesa boliviano desde os primeiros instantes da partida. O atacante participava das principais jogadas da equipe da casa, atacando diretamente e ajudando De Arrascaeta a municiar Henrique Dourado.

A torcida fazia sua parte, renovando a confiança no time, apesar da derrota de virada para o Atlético-MG, no domingo. Em bom número, eles empurraram o Cruzeiro e comemoraram bastante aos 11 minutos. Mas não por um lance da equipe da casa. Eles festejaram o primeiro gol do Mineros sobre o Huracán, na outra partida da chave, disputada simultaneamente. O gol dos venezuelanos ajudava a garantir a classificação do Cruzeiro.

Com atenção neste jogo, a torcida reclamou quando Henrique Dourado foi derrubado na área, em pênalti não marcado pela arbitragem, aos 14. Na sequência, Willian chegou com perigo. Aos 19, De Arrascaeta arriscou de longe e mandou para fora. Três minutos depois, o mesmo uruguaio levantou na área e viu Fillipetto tirar, de cabeça, em cima da linha do gol.

O Cruzeiro martelava, mas parava na retranca boliviana. Até que, aos 37 minutos, Mayke fez cruzamento preciso da direita e Willian, sem marcação, encheu o pé na segunda trave para abrir o placar. A torcida ainda comemorava quando o Mineros anotou seu segundo gol no outro duelo da rodada. As duas vitórias parciais não apenas classificavam o time brasileiro como também garantiam o Cruzeiro na primeira colocação do Grupo 3.

O que estava bom ficou ainda melhor para os torcedores cruzeirenses no segundo tempo. A equipe manteve a pressão no ataque e arrancou o segundo gol aos 11 minutos. Após cobrança de escanteio de Marquinhos, Léo subiu no meio da defesa boliviana para escorar de cabeça para as redes.

O gol deixou o Cruzeiro em situação confortável na chave. Só seria eliminado caso cinco gols fossem marcados nas duas partidas da rodada: dois do Universitario e três do Huracán no confronto com o Mineros. O time da Venezuela marcaria mais um, selando a vitória por 3 a 0.

Enquanto isso, o time brasileiro seguia pressionando a defesa boliviana, com as entradas de Gabriel Xavier e Joel na segunda metade da etapa final. O primeiro quase marcou um golaço aos 37, ao dar uma "caneta" no marcador e bater rente ao travessão. Nos minutos finais, a torcida, antes desconfiada, acompanhou os últimos lances do Cruzeiro com gritos de "olé".

FICHA TÉCNICA:

CRUZEIRO 2 x 0 UNIVERSITARIO DE SUCRE

CRUZEIRO - Fabio; Mayke, Léo e Manoel e Eugenio Mena; Willians, Henrique (Eurico) e De Arrascaeta; Marquinhos, Willian (Gabriel Xavier) e Henrique Dourado (Joel). Técnico: Marcelo Oliveira.

UNIVERSITARIO DE SUCRE - Raúl Olivares; Ramiro Ballivián (Mauricio Baldivieso), Jorge González Barón, Ezequiel Fillipetto e Jorge Flores; Rolando Ribera, Federico Silvestre, Jorge Cuellar e Rubén De la Cuesta; David Castro (Bejarano) e Miguel Suárez (Saucedo). Técnico: Julio César Baldivieso.

GOLS - Willian, aos 37 minutos do primeiro tempo. Léo, aos 11 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Léo, Olivares e Barón.

ÁRBITRO - Roddy Zambrano (Equador).

RENDA - R$ 874.080,00.

PÚBLICO - 24.288 pagantes (25.475 no total).

LOCAL - Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.