Cruzeiro é eliminado na Libertadores

O Cruzeiro é a segunda equipe brasileira a ser eliminada da edição 2004 da Taça Libertadores. O time mineiro venceu o Deportivo Cali, nesta quinta-feira à noite, no Mineirão, por 2 a 1, mas perdeu a classificação na disputa por pênaltis, quando foi derrotado por 3 a 0. A equipe do técnico Paulo César Gusmão havia perdido a primeira partida, na Colômbia, por 1 a 0, e precisava vencer por uma diferença mínima de dois gols se quisesse garantir automaticamente a vaga. A desclassificação prematura adia o sonho do tricampeonato sul-americano do Cruzeiro. O Deportivo enfrenta agora nas quartas-de-final o River Plate, da Argentina. Num jogo bastante disputado, os visitantes não se intimidaram no Mineirão e iniciaram a partida encarando o time da casa. Faltava vibração à equipe brasileira que, apesar de exercer um domínio territorial, não criava chances reais de gol. No ímpeto de ir ao ataque, o meio-campo cruzeirense deu liberdade a Moreno, atleta colombiano que protagonizava as melhores jogadas do Deportivo. E foi numa arrancada dele que a equipe da Colômbia abriu o marcador. Aos 41 minutos, Moreno dominou a bola ainda em seu campo e, usando de força e habilidade, foi passando pelos adversários, tabelou na intermediária, invadiu a área e chutou forte com o pé direito: 1 a 0. A irritação da torcida do Cruzeiro que compareceu ao estádio foi imediata, cobrando ?raça" do time. O meia Alex, aos 45 minutos, acertou um forte chute de fora da área, mas a bola bateu na trave esquerda do goleiro Castillo. Na volta do intervalo, a um minuto de jogo, a equipe mineira ainda levou um susto quando o atacante Castilho quase marcou o segundo do Deportivo. Desta vez foi o goleiro Gomes quem contou com a sorte, pois a bola bateu no travessão. Logo depois, o atacante Guilherme - que entrou no lugar de Wendell - foi derrubado na área. O árbitro argentino Héctor Baldassi marcou pênalti, que Alex cobrou e empatou a partida, aos três minutos. Precisando de pelo menos mais um gol para levar a decisão para os pênaltis, o Cruzeiro se lançou à frente, mas se tornou bastante vulnerável aos rápidos contragolpes do time colombiano. Mas, aos 42 minutos, a equipe mineira conseguiu virar o placar quando o lateral Maurinho, que substituiu o atacante Jussiê, avançou pela direita e cruzou para área. Guilherme subiu mais que os zagueiros e cabeceou para fazer 2 a 1. O Cruzeiro foi para a disputa por pênaltis sem o seu goleiro titular, já que Gomes deixou o campo aos 22 minutos com uma suspeita de fratura na mão direita. Coube ao reserva Artur defender a classificação nas penalidades. Ele até chegou a defender a terceira cobrança do time colombiano, segurando o chute de Domínguez, mas faltou competência aos batedores mineiros. Alex, Edu Dracena e Dudu não conseguiram converter as cobranças e o Deportivo se classificou vencendo a disputa por 3 a 0.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.