Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Cruzeiro e Flamengo sonham em tirar Valdivia do Palmeiras

Chileno tem contrato até agosto e deve renovar contrato com o Alviverde, que espera chegada do pai do atleta para selar acordo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2015 | 07h04

Valdivia treinou no gramado nesta quarta-feira pela primeira vez no ano, e em breve estará pronto par voltar ao time do Palmeiras. Enquanto tenta se recuperar 100% de uma lesão na coxa esquerda ocorrida no fim de 2014, o chileno precisa também decidir o seu futuro, que parece ser no Alviverde, mas isso ainda está longe de ser algo concreto. Flamengo e Cruzeiro acompanham de perto a negociação. 

Desde terça-feira da semana passada o Mago está livre para assinar um pré-contrato com qualquer clube e sair de graça em agosto, mas isso não passa pela cabeça de ninguém ligado ao jogador e ao clube. Mas, para evitar surpresas, a diretoria quer renovar logo o contrato.

O diretor executivo Alexandre Mattos espera pela chegada ao Brasil do pai e agente do atleta, Luís Valdivia, nos próximos dias para tentar um acordo. A ideia é oferecer um contrato de produtividade válido por dois anos.

A vontade de manter o vínculo existe dos dois lados. Valdivia está mais animado em ficar, já que o elenco atual é muito melhor do que o dos últimos anos e ele acredita que poderá brigar por títulos. Desde seu retorno, em 2010, ele ganhou a Copa do Brasil de 2012 e a Série B de 2013.

Na terça-feira o pai do chileno disse em entrevista à Rádio Globo que um clube brasileiro também está interessado no jogador. O Flamengo há anos tenta a contratação de Valdivia, e o Cruzeiro também o sondou recentemente, mas nenhum dos dois fez proposta.

Ambos esperam que as negociações com o Palmeiras fracassem para só depois formalizar uma oferta. Além dos clubes brasileiros, Valdivia também é observado de perto pelo Colo Colo, clube onde iniciou a carreira. Os direitos econômicos do jogador estão divididos em 54% do Palmeiras, 36% do conselheiro Osório Furlan e 10% do próprio meia.

AMOR BANDIDO

A relação de amor e ódio entre Valdivia e a torcida existe também entre o meia os dirigentes. Não que o presidente Paulo Nobre tenha odiado o jogador, mas já quis negociá-lo – tanto que em agosto o deixou ir para os Emirados Árabes assinar com o Al Fujairah, mas a negociação acabou fracassando.

A postura do atleta nos últimos meses fez com que o presidente mudasse de ideia e resolvesse segurá-lo. O chileno tem se dedicado mais aos treinamentos, embora continue com alguns problemas físicos. Atualmente, ele se recupera de uma lesão na coxa esquerda ocorrida no ano passado, quando chegou a atuar com dores para ajudar a equipe na luta contra o rebaixamento. Não existe previsão de quando o meia conseguirá estrear na temporada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.