Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Cruzeiro e Fluminense fazem confronto direto contra a crise no Brasileirão

Equipes estão na parte debaixo da tabela e precisam iniciar uma reabilitação na competição

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2019 | 07h56

Embora a situação do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro seja ruim, o time conta com o apoio de sua torcida para dar uma arrancada que o tire da zona de rebaixamento. A começar pelo jogo desta quarta-feira contra o Fluminense, às 21h30, no Mineirão. Já foram vendidos mais de 20 mil ingressos e a esperança no clube é que o estádio esteja lotado para empurrar a equipe rumo à vitória.

No último sábado, pouco mais de 22 mil pessoas foram ao Mineirão para ver o empate por 1 a 1 contra o Internacional. Nesta quarta, o público deverá ser maior, o que deixou o lateral-esquerdo Egídio animado. Ele acredita que a torcida terá um papel fundamental na recuperação do Cruzeiro no Brasileirão.

"A torcida vem nos apoiando. No momento, se tivermos de jogar feio para vencer, é melhor do que jogar bem e não vencer. No jogo passado, a gente saiu atrás, mas não se abateu e a torcida veio junto. E será juntos que vamos conseguir sair dessa", disse o jogador.

Assim como Thiago Neves, Dedé e Robinho, Egídio faz parte de um grupo de jogadores que ganhou vários títulos no Cruzeiro e que agora encara o outro lado da moeda. Mas ele tem absoluta certeza de que o elenco cruzeirense possui qualidade suficiente para tirar o clube da situação atual.

"Nós não vamos deixar, de jeito nenhum, isso (rebaixamento) acontecer. O Cruzeiro nunca caiu e não vai ser com a gente que vai cair. Tenho certeza disso. Não vamos deixar essa imagem do Cruzeiro, que resplandece, apagar-se na Série A", afirmou Egídio.

Em 18º na classificação do Brasileiro, com apenas 20 pontos em 23 rodadas, o Cruzeiro não sairá da zona de rebaixamento mesmo se vencer o Fluminense. Mas uma vitória vai começar a tirar o time do buraco, além de aproximá-lo dos cariocas, que estão cinco pontos à frente no campeonato.

O Cruzeiro não terá no Mineirão o lateral-direito Orejuela, que está com a seleção da Colômbia, o zagueiro Cacá e o meia Thiago Neves, ambos suspensos. Em compensação, poderá contar com a volta de Dedé e Pedro Rocha.

Marcão 'estreia' como técnico

Vivendo seu momento mais tranquilo desde o início do Campeonato Brasileiro, o Fluminense buscará nesta quarta-feira a sua terceira vitória consecutiva na competição - e a terceira desde que o ex-volante Marcão assumiu o comando da equipe. 

Marcão, que era auxiliar-técnico, foi promovido a treinador interino logo após a demissão de Oswaldo de Oliveira, há duas semanas. Na condição de técnico temporário, ele comandou o time na vitória por 2 a 1 sobre os reservas do Grêmio. Na rodada seguinte, já efetivado como técnico, uma nova vitória: 1 a 0 no clássico contra o Botafogo.

Nesta quarta, Marcão comandará o Fluminense pela primeira vez fora do Rio de Janeiro e uma nova vitória deixará a equipe tricolor mais longe da zona de rebaixamento do Brasileirão - se o CSA perder para o Internacional, a diferença para o 17º colocado chegará a seis pontos, o que dará ao time das Laranjeiras um conforto que ele ainda não teve no campeonato.

O duelo com o Cruzeiro será um confronto direto na busca para escapar do rebaixamento. O time mineiro ocupa o 18º lugar da tabela e figura atualmente dentro da zona da degola. Por isso, deve jogar sob forte pressão nesta quarta.

Neste contexto, Marcão tem três problemas para o jogo contra o Cruzeiro: Digão, Caio Henrique e Allan, que não poderão atuar no Mineirão. O primeiro é jogador do clube mineiro e uma cláusula em seu contrato de empréstimo o impede de atuar nesta quarta. Caio e Allan, por sua vez, estão defendendo a seleção brasileira sub-23.

No meio da defesa, Frazan vai substituir Digão. Na lateral esquerda, Marcão vai escalar Orinho na vaga de Caio Henrique, enquanto no meio de campo o substituto de Allan será Yuri.

Para Entender

Programação de tv

Veja as principais atrações esportivas do dia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.