Cruzeiro encara o Potosí na fase de grupos da Libertadores

Time do técnico Adílson Batista quer manter o embalo e estrear com uma vitória convincente

Eduardo Kattah, O Estado de S. Paulo

12 de fevereiro de 2008 | 20h44

Ostentando um aproveitamento de 100% neste início de temporada, o Cruzeiro estréia nesta quarta-feira na fase de grupos da Libertadores. O time mineiro encara o Real Potosí, da Bolívia, às 21h50, no Mineirão, e pretende aproveitar ao máximo o mando de jogo, já que o confronto na casa do adversário será realizado a 4.010 metros de altitude. A equipe do técnico Adilson Batista está no Grupo 1 da competição internacional, composto também por San Lorenzo, da Argentina, e Caracas, da Venezuela.Veja também: Calendário da Libertadores O Cruzeiro, que busca o terceiro título sul-americano (foi campeão em 1976 e 1997), entra em campo já está familiarizado com o clima de guerra da Libertadores. Na fase preliminar, desclassificou o Cerro Porteño, do Paraguai, vencendo as partidas em Belo Horizonte (3 a 1) e em Assunção (3 a 2) - quando despertou a ira da torcida paraguaia, que arremessou pedras e outros objetos no gramado, obrigando o árbitro chileno Carlos Chandía a encerrar a partida prematuramente, aos 24 minutos do segundo tempo. As apresentações contra o time paraguaio e as vitórias nos outros dois jogos deste ano, pelo Campeonato Mineiro, deixaram a torcida celeste empolgada. Para o treinador, o Cruzeiro tem de aproveitar a "sintonia" com a torcida, mas sem perder a concentração e entrar na euforia da arquibancada. "Estamos numa sintonia muito bonita (com a torcida) e temos de tirar proveito.Temos de mostrar cada vez mais rendimento, empenho, coisas que o torcedor gosta. A gente fica contente com esse início, mas o objetivo é lá na frente", destacou Adilson.Ele comandou pela manhã um treino secreto, permitindo a entrada da imprensa apenas uma hora depois do início das atividades. O técnico disse que a intenção era trabalhar situações que possam ocorrer durante o jogo. Diante de um adversário desconhecido, Adilson recorreu às informações do atacante boliviano Marcelo Moreno e do técnico Ney Franco - atualmente no Atlético-PR, mas que dirigiu o Flamengo contra o Real Potosí, no ano passado.Adilson prefere deixar o "outro lado pensando" e não definiu o time que começa jogando. No ataque, o jovem Guilherme reconhece que não atravessa um bom momento e pode ceder a vaga de titular para Marcel. No setor defensivo, a possibilidade é de Espinoza formar a dupla de zaga com Thiago Heleno. O volante Fabrício volta ao time após ser poupado no confronto com o Democrata-SL, no último domingo, pelo Estadual.Cruzeiro: Fábio; Marquinhos Paraná, Thiago Martinelli (Espinoza), Thiago Heleno e Jadilson; Fabrício, Charles, Ramires e Wagner; Marcelo Moreno e Guilherme (Marcel). Técnico: Adilson Batista

Tudo o que sabemos sobre:
Copa LibertadoresCruzeiroReal Potosí

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.