Cruzeiro evitará faltas perto da área contra o São Paulo

Tida há muito tempo como a principal arma ofensiva do São Paulo, a jogada aérea é o grande temor do Cruzeiro para a partida de volta das quartas-de-final na Libertadores, nesta quinta-feira, no Morumbi. E para pelo menos amenizá-la, a equipe pretende evitar as faltas próximas da área.

AE, Agencia Estado

17 de junho de 2009 | 17h34

"Nós sabemos muito bem que devemos evitar as faltas perto da área, laterais, porque o São Paulo tem uma bola parada muito boa. Mas não é só isso. Temos que ficar ligados do começo ao fim, ter uma marcação bem melhor que nos jogos passados em que deixamos a desejar, para irmos em busca da classificação", explicou o volante Marquinhos Paraná.

Para a marcação do centroavante Washington, que mede 1,90m e é conhecido pela presença aérea, será designado o zagueiro Leonardo Silva, de 1,92m. O jogador salienta, entretanto, que existem outros bons cabeceadores no time paulista.

"Todos aqueles que participam da bola parada da equipe do São Paulo têm que ser marcados. É uma jogada forte que eles têm. Além do Washington, todos têm sua responsabilidade em qualquer bola parada. Tem o André Dias, o Zé Luís, o Eduardo Costa. Aquele que entrar na área a gente tem que marcar", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolLibertadoresCruzeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.