Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Cruzeiro goleia em São Januário e acaba com chances do Vasco na Libertadores

Time celeste assume a liderança provisória do Grupo E com vitória por 4 a 0, no Rio

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

02 Maio 2018 | 23h50

Ganhando embalo nesta Copa Libertadores, o Cruzeiro não tomou conhecimento do Vasco nesta quarta-feira e aplicou 4 a 0 em São Januário. A nova goleada levou o time mineiro à liderança do Grupo E e acabou com qualquer chance de classificação da equipe carioca à fase de mata-mata. A partida foi marcada por confusão entre torcedores vascaínos, o que chegou a paralisar o jogo por sete minutos no primeiro tempo.

+ TEMPO REAL - Vasco 0 x 4 Cruzeiro

+ Corinthians é surpreendido em casa e perde para o Independiente

O Cruzeiro, que vinha de um 7 a 0 sobre a Universidad de Chile, chegou aos 11 pontos e assume provisoriamente a ponta da chave, com a classificação encaminhada. Nesta quinta, o Racing, que tem oito, poderá retomar a ponta se vencer a equipe chilena, em casa. Já o Vasco segue com apenas dois pontos, ainda sem vencer na fase de grupos, na 4ª posição. O time agora foca na 3ª colocação, que dá vaga na Copa Sul-Americana.

Foi a segunda goleada seguida do Cruzeiro nesta Libertadores e a terceira sofrida pelo Vasco na competição - por coincidência as outras duas também foram por 4 a 0. A derrota desta quarta foi quase toda construída no primeiro tempo, com três gols antes do intervalo. Sassá foi o destaque cruzeirense, ao marcar duas vezes.

Perdendo por 3 a 0 aos 35 minutos de jogo, o Vasco viu sua torcida entrar em atrito nas arquibancadas. A confusão gerou a intervenção da polícia com gás de pimenta e causou a paralisação da partida na etapa inicial. Confrontos foram retomados nos minutos finais de jogo sem consequências para o andamento da partida.

Com o resultado, o Cruzeiro manteve a série invicta contra o Vasco em São Januário. Jogando na casa do rival, o time mineiro não perde há 12 anos. A última derrota, por 1 a 0, foi em julho de 2006, pelo Campeonato Brasileiro daquele ano. Na Libertadores são três jogos, com uma vitória para cada lado e um empate sem gols.

O JOGO

Sem Leandro Desábato e sem Wagner, o Vasco entrou em campo desesperado, mas com a vantagem de jogar em casa na busca pelos preciosos pontos que manteriam a equipe na briga por uma vaga no mata-mata. Mas quem viu o início de jogo poderia pensar que o desesperado em campo era o Cruzeiro, tal era o ritmo imposto pelo time mineiro nos primeiros minutos.

Muito ofensivo, o time visitante foi para cima desde o começo e abriu o placar aos 9 minutos. Após cobrança de escanteio, a bola sobrou para Egídio, que cruzou e Léo, em posição de impedimento, escorou para as redes.

O segundo veio aos 25, em lance parecido. O mesmo Egídio cruzou da esquerda e Thiago Neves, sem marcação, completou para as redes com facilidade. Na sequência, aos 32, Sassá encheu o pé de fora da área e marcou lindo gol.

Com a atuação avassaladora do Cruzeiro, a torcida vascaína não perdoou e iniciou as vaias. Ao mesmo tempo, xingava o presidente Alexandre Campello. As manifestações geraram atritos internos nas arquibancadas, em razão do tom político das críticas. E a polícia interveio com gás pimenta, o que assustou parte dos torcedores.

Preocupado, o Anderson Daronco paralisou o jogo aos 35 minutos e só fez a partida retornar após se certificar da segurança no local, a partir da aprovação da polícia, sete minutos depois. Mas a reta final do primeiro tempo não apresentou maiores mudanças ao panorama da partida.

No início do segundo tempo, o Vasco parecia disposto a ao menos reduzir o estrago no placar. Partiu para cima e deu trabalho ao goleiro Fábio, exigido aos 2 e aos 4. Um minuto depois, Riascos acertou a trave. Parecia que o time carioca enfim "entrara" no jogo.

Mas Sassá tratou de acabar com qualquer esperança da torcida vascaína aos 10 minutos. Ele recebeu lançamento de Arrascaeta e mandou para as redes. O quarto gol cruzeirense levou parte da torcida carioca a deixar o estádio.

Daí em diante, o Cruzeiro desacelerou e o Vasco manteve o ritmo lento, ao contrário do que fez no início da etapa. Enquanto os times faziam uma partida morna em campo em seus minutos finais de jogo, a torcida voltava a causar confusão nas arquibancadas, com nova intervenção por parte da polícia. Desta vez, o confronto não trouxe consequências para a sequência da partida até o apito final.

Os dois times brasileiros voltarão a campo para a última rodada do Grupo E no dia 22. O Vasco vai visitar a Universidad de Chile, em Santiago, enquanto o Cruzeiro vai receber o Racing no Mineirão.

FICHA TÉCNICA

VASCO 0 x 4 CRUZEIRO

VASCO - Martín Silva; Yago Pikachu, Paulão, Werley e Henrique; Bruno Silva, Wellington, Evander (Riascos), Thiago Galhardo (Kelvin) e Rildo (Paulo Vitor); Andrés Ríos. Técnico: Zé Ricardo.

CRUZEIRO - Fábio; Lucas Romero, Dedé, Léo e Egídio; Henrique (Bruno Silva), Lucas Silva, Rafinha, Thiago Neves (Mancuello) e Arrascaeta; Sassá (Raniel). Técnico: Mano Menezes.

GOLS - Léo, aos 9, Thiago Neves, aos 24, e Sassá, aos 32 minutos do primeiro tempo. Sassá, aos 10 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Lucas Romero, Henrique.

ÁRBITRO - Anderson Daronco (Fifa/RS).

RENDA - R$ 657.278,35.

PÚBLICO - 12.624 pagantes (12.973 no total).

LOCAL - Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.