Cruzeiro lamenta o gol no final

Os jogadores do Cruzeiro não conseguiam esconder, na saída do jogo, o desapontamento pelo gol de empate sofrido já nos acréscimos do confronto com o Palmeiras, nesta quarta-feira, no Palestra Itália. Mas, todos buscavam no apoio da torcida mineira a certeza de uma classificação para as semifinais da Libertadores, após os 3 a 3 em São Paulo.?Lá é diferente, o povo vai estar do nosso lado. Não é fácil enfrentar uma torcida como essa do Palmeiras, eles gritam o tempo todo. A nossa vai fazer igual lá em Belo Horizonte?, afirmou Oséas, após a troca de camisas com Galeano.Oséas prometeu um Cruzeiro constantemente no ataque na partida de volta, na próxima quarta-feira. ?Vamos atacar desde o início do jogo, mas com uma certa prudência na defesa. O time do Palmeiras é muito bom e merece respeito?, avisou. Para ele, faltou muito pouco para a vitória no Palestra Itália. ?Demos o espaço que o Lopes precisava naquela bola, foi bobeira nossa.?O volante Ricardinho confessa que ficou triste no minuto final, antes de se dar conta que o resultado não havia sido ruim. ?Quando a gente sofre o gol no finzinho, fica com a impressão que perdeu, mas depois que passa um pouco, não dá para ficar triste com um empate na casa do adversário. Agora, temos tudo para decidir no Mineirão, com o apoio da torcida.?Luiz Felipe Scolari, xingado pela torcida do Palmeiras durante todo o jogo, deixou o campo cumprimentando com fortes abraços os volantes Fernando e Galeano, dois atletas que dirigiu no Palmeiras. Caminhou lentamente para o vestiário, talvez já pensando em quem será o substituto de Geovanni na quarta-feira. As maiores possibilidades são para Marcelo Ramos, mas Alessandro, aberto pela ponta, também é uma boa opção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.