Márcio Cunha/ACF
Márcio Cunha/ACF

Cruzeiro perde para Chapecoense em casa e vê a má fase aumentar

Time celeste estaciona nos seis pontos com derrota por 2 a 1 no Independência

Redação, Estadão Conteúdo

26 de maio de 2019 | 21h34

As promessas feitas pelos jogadores ao longo de toda a semana ficaram apenas no discurso. Em mais uma atuação ruim, o Cruzeiro chegou ao quinto jogo sem vitória na temporada ao perder para a Chapecoense por 2 a 1, neste domingo, no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

Essa foi a terceira derrota seguida do Cruzeiro na competição - além de um empate contra o Fluminense (1 a 1), na Copa do Brasil, e de outra derrota para o Emelec (2 a 1), na Copa Libertadores. Por outro lado, a Chapecoense reencontrou o caminho das vitórias após quatro jogos.

O tropeço deixa o Cruzeiro na beira da zona de rebaixamento, em 16.º lugar com seis pontos, um a mais que o Grêmio. Já a Chapecoense pegou o elevador e subiu para o 12.º lugar ao somar o seu sétimo ponto. O jogo não aconteceu no estádio do Mineirão porque o seu gramado está sendo trocado para a disputa da Copa América.

Pressionado por conta dos recentes resultados, o Cruzeiro adotou uma postura mais ofensiva do que o comum, mas só conseguia chegar com certo perigo ao gol adversário em cruzamentos. A primeira grande chance, porém, foi criada pela Chapecoense aos 12 minutos. Rildo tabelou com Everaldo e ficou na cara do goleiro Fábio, que ainda conseguiu desviar. A bola acertou a trave e ficou com a zaga cruzeirense.

Depois disso, o jogo ficou morno com o time mineiro tendo mais posse de bola, mas não conseguindo criar. A torcida celeste já dava os primeiros sinais de insatisfação. Aos 28 minutos, Thiago Neves cobrou falta e Dedé cabeceou por cima.

Nitidamente nervoso em campo, o Cruzeiro não acertava o último passe. O jeito foi arriscar de longe. Thiago Neves soltou a bomba de fora da área e a bola passou perto do gol. Aos 42 minutos, o camisa 10 cobrou falta e tirou tinta da trave direita do goleiro Tiepo. Esse foi o último lance de perigo do primeiro tempo e, como já esperado, os jogadores celestes deixaram o gramado debaixo de vaias.

Na volta do intervalo, o técnico Mano Menezes tirou Rodriguinho, que mais uma vez não fazia uma boa partida, e colocou Pedro Rocha. No entanto, foi a Chapecoense que assustou pela primeira vez. Everaldo recebeu livre na entrada da área e bateu para defesa de Fábio. A resposta veio no lance seguinte. Fred finalizou na trave e o rebote sobrou para Robinho, que só não marcou porque o zagueiro Gum tirou em cima da linha.

O que já estava ruim ficou ainda pior aos sete minutos, quando a Chapecoense abriu o placar. Elicarlos finalizou rasteiro, Fábio falhou e soltou a bola nos pés de Rildo, que passou pelo goleiro e marcou. Na sequência, Pedro Rocha chutou e Tiepo mandou para escanteio.

Aos 11 minutos saiu o empate. Thiago Neves recebeu de Robinho e, de fora da área, mandou uma bomba no ângulo. A virada por pouco não saiu aos 18, quando Robinho entrou na área e cruzou para o meia, que pegou errado e mandou para fora. Depois foi a vez de Robinho perder boa oportunidade. A Chapecoense não conseguia ficar com a bola nos pés e era encurralada pelo Cruzeiro.

No entanto, a casa celeste desabou aos 39 minutos, quando Diego Torres aproveitou dividida entre Aylon e Dedé para cabecear no cantinho de Fábio, aumentando a revolta dos torcedores.

Os dois times vão ter a semana livre antes de entrarem em campo no domingo pela sétima rodada do Brasileirão. O Cruzeiro enfrenta o São Paulo, às 16 horas, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, enquanto que a Chapecoense recebe o Palmeiras, no mesmo horário, na Arena Condá, em Chapecó (SC).

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 1 x 2 CHAPECOENSE

CRUZEIRO - Fábio; Lucas Romero, Léo, Dedé e Egídio; Henrique, Robinho, Rodriguinho (Pedro Rocha), Thiago Neves (Deivid) e Marquinhos Gabriel (Lucas Silva); Fred. Técnico: Mano Menezes.

CHAPECOENSE - Tiepo; Caíque Sá (Bryan), Gum, Douglas e Bruno Pacheco; Elicarlos, Márcio Araújo e Gustavo Campanharo (Diego Torres); Rildo (Aylon), Everaldo e Arthur Gomes. Técnico: Ney Franco.

GOLS - Rildo, aos 7, Thiago Neves, aos 11, e Diego Torres, aos 39 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Dedé (Cruzeiro); Bryan, Bruno Pacheco e Rildo (Chapecoense).

ÁRBITRO - Dewson Fernando Freitas da Silva (Fifa/PA).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.