Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Cruzeiro pode deixar zona de rebaixamento do Brasileirão no duelo com o CSA

Time comandado por Abel Braga acumulava 11 jogos sem derrota no Brasileirão

Redação, Estadão Conteúdo

28 de novembro de 2019 | 07h44

O Cruzeiro não vence há cinco rodadas do Campeonato Brasileiro e, no sábado passado, foi goleado pelo Santos por 4 a 1, sendo empurrado para a zona de rebaixamento. Ainda assim, há esperança para o clube: uma vitória nesta quinta-feira sobre o CSA, no Mineirão, às 21h30, vai tirar a equipe mineira do grupo dos quatro últimos colocados.

A goleada sofrida na Vila Belmiro foi um choque de realidade para o Cruzeiro. O time comandado por Abel Braga acumulava 11 jogos sem derrota no Brasileirão, mas os oito empates nesse período impediram o Cruzeiro de se afastar do perigo da primeira queda para a Série B de sua história. O clima no clube é de enorme tensão: o muro da sede social foi pichado duas vezes nos últimos dias e os jogadores se viram proibidos pela diretoria de dar entrevistas.

Apesar de tudo isso, a equipe vai contar com o apoio de bastante gente contra o CSA. Nesta quarta, o Cruzeiro informou que já foram vendidos 30 mil ingressos para a partida, número que ainda pode aumentar nesta quinta. Os cruzeirenses, porém, esperam que não se repita o fiasco do último jogo no Mineirão: empate por 0 a 0 com o Avaí, pior time do Brasileirão.

O técnico Abel Braga não deverá contar mais uma vez com o lateral-esquerdo Dodô. O jogador ficou fora da partida contra o Santos por causa de dores no pé direito e havia a esperança de que ele retornasse contra o CSA, mas Dodô não treinou na véspera da partida e, por isso, dificilmente jogará. Resta ao treinador, portanto, manter Egídio na posição.

O treinador ficou insatisfeito com o desempenho do ataque do Cruzeiro no sábado e pode fazer mudanças no setor. Fred tem chance de entrar no lugar de Sassá, enquanto Marquinhos Gabriel pode ficar com a vaga de Robinho.

A preocupação do técnico carioca com o setor ofensivo não existe por acaso. Afinal de contas, o Cruzeiro, com 27 gols, só balançou as redes mais vezes no Brasileirão do que CSA (21) e Avaí (16).

CSA evita pensar em permanência

O CSA chegou a alimentar esperanças de escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro, mas a série de cinco derrotas complicou bastante a sua situação. Até por isso, pouco se fala sobre a possibilidade de permanência na elite. O foco do momento é o de encerrar o jejum de vitórias.

"Vamos trabalhar e procurar ficar numa posição honrosa dentro da competição. Vamos tentar fazer o máximo de pontos possíveis. Cada um aqui é profissional e é isso que cobramos dos jogadores. Os atletas têm dado tudo. Ninguém aqui se nega. Os jogadores quando entram em campo tentam dar a vida. Mas o futebol não é só correr, não é só competir, o futebol precisa ter qualidade", afirmou o técnico Argel Fucks, que praticamente jogou a toalha após a derrota por 1 a 0 para o Fluminense, no Rei Pelé.

Em 18.º lugar, com 29 pontos, o CSA está sete pontos atrás do Cruzeiro, que aparece logo acima, em 17.º, primeira posição dentro da zona do rebaixamento. Depois do confronto, restarão apenas três rodadas para o fim do Brasileirão. Por isso, o time alagoano precisaria fazer uma reta final perfeita e ainda torcer contra rivais diretos para se manter na elite.

Argel preferiu não revelar a escalação que será utilizada em Belo Horizonte. Ele até pode repetir o time que perdeu na rodada passada, mas a tendência é que faça mudanças.

Uma delas pode ser a entrada de Rafinha na lateral esquerda, em movimento que deslocaria Euller para o meio de campo e colocaria Bruno Alves no banco de reservas. Argel também considera utilizar o meia Warley ou volante Nilton, mas, nesse caso, Rafinha ficaria de fora e Euller continuaria na esquerda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.