Edson Vara/ Lightpress/ Cruzeiro
Edson Vara/ Lightpress/ Cruzeiro

Cruzeiro pode ser rebaixado no Brasileirão mesmo se vencer no domingo o Palmeiras

Técnico Adilson Batista pede que torcedores que forem para 'final' no Mineirão ajudem o time

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2019 | 08h15

O Cruzeiro se complicou ainda mais na tentativa de evitar seu primeiro rebaixamento na história do Campeonato Brasileiro ao perder por 2 a 0 para o Grêmio nesta quinta-feira à noite, na Arena do time gaúcho, em Porto Alegre. Com isso, pode cair até mesmo se vencer o Palmeiras, domingo, no Mineirão, na última rodada.

Em 17.º lugar com 36 pontos e apenas sete vitórias, o Cruzeiro cairá se o Ceará, que tem 38 pontos e dez vitórias, ao menos empatar com o Botafogo, no Rio. Para se salvar, o time mineiro terá de bater o Palmeiras e torcer para o Botafogo derrotar a equipe cearense por qualquer resultado. Se essa combinação acontecer, o Cruzeiro escapa e o Ceará é rebaixado, juntando-se a Avaí, Chapecoense e CSA. Domingo, o time não terá Edilson, Egídio e Ariel Cabral, todos suspensos.

O Cruzeiro até lutou contra o Grêmio, apesar de desordenado. Criou mais chances do que o rival, mas na segunda etapa teve de se lançar à frente, deu espaço e isso foi fatal. Ainda ficou com dez jogadores em campo aos 16 minutos. Robinho se machucou quando o técnico Adilson Batista já havia feito três substituições. A partir daí, a esperança foi trocada pelo desespero. Aos 21, o Grêmio marcou o primeiro gol. Num contra-ataque, a bola chegou ao jovem Ferreirinha, que chutou e contou com o desvio em Egídio. Depois, Pepê driblou quatro rivais e foi derrubado na área por Cacá. Ele mesmo bateu o pênalti e fez 2 a 0, aos 39 minutos.

ADILSON PEDE AJUDA AOS TORCEDORES

O treinador Adilson Batista disse depois da partida que ainda acredita em um 'milagre' e fez um pedido especial aos torcedores para domingo, na partida que vai definir o futuro da equipe na Série A. "Gostaria que fosse o cruzeirense mesmo que ama o clube. Esses oito milhões de torcedores que são apaixonados, que fossem ao Mineirão e procurassem dentro da razão transmitir toda energia, toda vibração, todo carinho que eles têm pelo clube. E ajudasse neste momento. Sei que está um pouquinho chateado, um pouquinho preocupado com muitas coisas que aconteceram ao longo da temporada", disse o comandante, que assumiu o posto no lugar de Abel Braga.

"Mas ainda confio, ainda acredito na permanência do Cruzeiro na Série A. Não pela grandeza apenas. O Cruzeiro tem uma história bonita, maravilhosa, repleta de títulos, história com jogadores como Tostão, Dirceu Lopes, Nelinho, Joãozinho, Raul... Precisamos ter discernimento, calma e vencer o Palmeiras. (...) É respirar fundo e acreditar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.