Washington Alves/Lightpress
Washington Alves/Lightpress

Cruzeiro prega 'criatividade' contra debandada no elenco

Bicampeão brasileiro perdeu dez atletas, contratou seis, mas reforços ainda mostraram resultado em jogos da pré-temporada

Marcelo Portela - Correspondente, O Estado de S. Paulo

26 de janeiro de 2015 | 10h42

A falta de entrosamento do time no empate em 1 a 1 com o Shakhtar Donetsk deixou claro: o desmonte do Cruzeiro às vésperas do início da temporada tem seu preço. O clube perdeu até agora dez atletas que participaram da campanha do ano passado, quando o time conquistou o bicampeonato brasileiro e chegou à final da Copa do Brasil, e agora, segundo o técnico Marcelo Oliveira, será preciso “criatividade” e “competência” para montar um novo grupo.

Para auxiliar nessa missão, há um reforço de caixa de pouco mais de R$ 100 milhões, recursos que o time obteve com a venda de jogadores como o armador Ricardo Goulart, negociado com o chinês Gangzhou Evergrande, e o volante Lucas Silva, vendido para o Real Madrid. O último a integrar a debandada pode ser Éverton Ribeiro, uma das principais peças do time nas duas últimas temporadas e que deve sair para o Al-Ahli, dos Emirados Árabes Unidos.

O armador nem foi acionado no amistoso de domingo. Segundo o supervisor de futebol do Cruzeiro, Ribeiro foi poupado porque as negociações com o clube árabe “evoluíram bastante” e não poderia ocorrer “qualquer tipo de transtorno”. Afinal, a venda dos direitos do atleta renderá ao time 9 milhões de euros, equivalentes a pouco mais de R$ 26 milhões. Éverton Ribeiro foi contratado por R$ 4 milhões em 2013.


O valor da soma que irrigou os cofres celestes salta para aproximadamente R$ 72 milhões considerando também as transferências de Ricardo Goulart e Lucas Silva. Mas, além deles, a diretoria do Cruzeiro negociou o volante Nilton e o lateral Egídio e o grupo ainda foi esvaziado com as saídas de Borges e Marlone, que não tiveram os contratos renovados, e Samudio e Marcelo Moreno, que atuaram por empréstimos no ano passado. E a direção celeste ainda liberou Dagoberto para negociar sua saída, o que ainda não vingou, mas o atacante treina separado dos companheiros e está afastado dos gramados.

“É um processo natural. As cifras são altas”, observou Marcelo Oliveira, após o empate com o Shakhtar, lembrando que, além do clube, os jogadores também sonham com “salários mais altos”. Éverton Ribeiro deve receber o equivalente a R$ 1,14 milhões mensais no clube árabe. “O clube se interessa e o jogador, também. É natural perdermos jogadores pelo assédio”, disse o técnico.

CONTRATAÇÕES

Enquanto o time da temporada passada é desmontado, a direção celeste tenta recompor o time com negociações. A principal delas foi a do atacante Leandro Damião, contratado por empréstimo até o fim da temporada. Além dele, chegaram ao time o lateral Fabiano, o volante chileno Felipe Seymour, o atacante camaronês Joel, o também atacante Riascos, da Colômbia, e a contratação mais recente, o meia uruguaio Arrascaeta.

Mas os reforços ainda não fizeram efeito. Antes do empate de domingo, a Raposa havia perdido para o Londrina por 1 a 0 e os dois últimos da lista nem chegaram a atuar no último compromisso. Mesmo assim, Marcelo Oliveira considerou que o time fez um “ótimo teste”, mas admitiu que o Cruzeiro ainda não tem “nem uma nova formação”.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroMarcelo Oliveira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.