Yuri Edmundo/EFE
Yuri Edmundo/EFE

Cruzeiro promete tirar lições de sustos dados pelo Deportivo Lara

Resultado de 2 a 0 não reflete as dificuldades encontradas pela equipe mineira em duelo pela Libertadores

Redação, Estadão Conteúdo

28 de março de 2019 | 09h34

O Cruzeiro voltou a triunfar na Copa Libertadores ao bater o Deportivo Lara por 2 a 0, na noite de quarta-feira, no Mineirão, mas a sensação foi de que o time poderia ter feito bem mais. Afinal, abriu o placar aos sete minutos do primeiro tempo com Rodriguinho, mas depois caiu de rendimento gradualmente e correu riscos em finalizações de fora da área do time venezuelano, até marcar o seu segundo gol nos acréscimos da etapa final, com Jadson.

Embora tenha reclamado da anulação de um gol no primeiro tempo, o Cruzeiro também reconheceu ter cometido erros no duelo de quarta-feira, como não ter sido mais incisivo no setor ofensivo. E avaliou que a irregularidade exibida em campo deixa lições para a sequência da Copa Libertadores e a reta final do Campeonato Mineiro.

"Se tivesse um pouquinho mais de tranquilidade naquele passe final, se tivessem resultado em gols no primeiro tempo, seria muito mais fácil fazer um placar amplo. Mas nem sempre vai acontecer o que a gente quer. A gente luta para que aconteça, mas não. Talvez, faltou mais profundidade. A gente tinha o controle da bola, mas, na hora de fazer o passe, erramos. Que sirva de lição para os próximos jogos, mas a equipe conseguiu fazer o jogo, teve um gol anulado que poderia ter dado uma tranquilidade maior. A equipe, durante o jogo, teve altos e baixos. Mas, no geral, o que vale realmente é vencer", disse o auxiliar Sidnei Lobo, que ficou no banco de reservas do Cruzeiro porque o técnico Mano Menezes estava suspenso.

O auxiliar cruzeirense admitiu que os jogadores podem ter subestimado o poderio do Deportivo Lara, que não conseguiu chegar ao Brasil para a data inicialmente agendada para o duelo, que precisou ser adiado, enfrentando contratempos para atuar em Belo Horizonte. E também elogiou o comportamento do adversário.

"É uma equipe que, para muitos, vinha para cá só para fazer o jogo, mas eles vieram competir. A gente, talvez, em um momento ou outro, colocou isso na cabeça e tivemos um pouquinho de dificuldade. Jogo de Libertadores é assim. Temos que saber disso e entrar focados", complementou Sidnei Lobo.

O Cruzeiro lidera o Grupo B da Libertadores com seis pontos e volta a campo pelo torneio em 3 de abril para enfrentar o Emelec, fora de casa. No domingo, o time vai encarar o América, no Independência, no duelo de ida das semifinais do Campeonato Mineiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.