Bruno Haddad/Cruzeiro EC
Bruno Haddad/Cruzeiro EC

Cruzeiro questiona o VAR e irá à CBF protestar após empate com o Operário-PR na Série B

Diretoria da equipe celeste vai se reunir com Leonardo Gaciba, presidente da Comissão de Arbitragem, contra as decisões do árbitro Rodrigo Dalonso Ferreira e do assistente de vídeo Pablo Ramon Gonçalves Pinheiro

Redação, Estadão Conteúdo

17 de setembro de 2021 | 09h13

A diretoria do Cruzeiro informou, em nota oficial emitida na madrugada desta sexta-feira, que fará uma reunião com Leonardo Gaciba, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, para protestar contra as decisões do árbitro catarinense Rodrigo Dalonso Ferreira e do assistente de vídeo Pablo Ramon Gonçalves Pinheiro, do Rio Grande do Norte, no empate por 1 a 1 com o Operário-PR, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG), pela 24.ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

No entendimento do Cruzeiro, o clube foi prejudicado pela marcação de um pênalti para o Operário-PR no primeiro tempo, após alerta feito pelo VAR ao árbitro de campo, e pela anulação do gol do centroavante boliviano Marcelo Moreno já nos acréscimos, mesmo com "imagens inconclusivas" relativas a um suposto toque de mão do meia Marco Antônio.

"No lance do pênalti de Eduardo Brock, o juiz de campo deixa o jogo seguir e a bola inclusive chega a sair pela lateral. O árbitro PERMITE o reinício do jogo na cobrança de lateral e só depois vai, irregularmente, conferir o VAR. De acordo com as normas do VAR, a partir do momento em que o árbitro permite o reinício da partida em uma nova jogada, o VAR não pode interferir em qualquer lance anterior. E foi justamente o que aconteceu", disse o Cruzeiro em sua nota oficial.

"No lance do gol de Marcelo Moreno, todas as imagens do VAR são inconclusivas no domínio de Marco Antônio. Assim, a responsabilidade é 100% do árbitro. Como o VAR não possuía a imagem conclusiva, o árbitro sequer deveria ser chamado e deveria ter seguido sua decisão inicial", prosseguiu o clube.

"Assim como já fizemos em outras oportunidades, iremos à CBF manifestar formalmente nosso repúdio em relação ao que aconteceu no jogo. Fomos prejudicados em dois lances capitais, com a interferência do VAR em situações mal conduzidas pela equipe de arbitragem. (...) Reiterando: nossa diretoria comparecerá à CBF para se reunir com o presidente da Comissão de Arbitragem, onde externaremos nosso repúdio pelas interferências infelizes que foram fundamentais no resultado final da partida", finalizou.

Já a súmula da partida tem o relato de uma série de incidentes e também xingamentos por parte de membros da comissão técnica do Cruzeiro. Uma delas do treinador Vanderlei Luxemburgo, um dos expulsos, além do seu auxiliar Maurício Copertino e do preparador de goleiros André Croda.

Segundo o árbitro, Luxemburgo foi expulso em meio à confusão no fim do jogo. A súmula informa xingamentos do treinador, que teria se aproximado do árbitro com o dedo em riste. "Você já veio mal intencionado, desde o começo! Quem deveria ser expulso é você! Você é safado! Vocês não têm que checar nada. A imagem é inconclusiva. Já falou na TV", relatou Rodrigo Dalonso, que completou afirmando que Luxemburgo se negou a deixar o gramado após a expulsão.

"O mesmo ainda se negou a sair de campo, dizendo que só sairia com a polícia. Sendo assim, foi solicitado a intervenção policial, que se aproximou, solicitando que o referido treinador saísse de campo. Após o termino da partida, o mesmo, retornou ao campo de jogo, aguardando nossa saída, reclamando e apontando em nossa direção, proferiu as seguintes palavras: 'É isso que vocês queriam!'", completou.

Com o resultado, o Cruzeiro mantém a invencibilidade, que já dura 11 jogos, mas não consegue emplacar uma sequência de vitórias na Série B. O time mineiro chegou aos 30 pontos e ganha uma posição na tabela de classificação — é o 12.° colocado.

Pela 25.ª rodada, o Cruzeiro deixa seus domínios para visitar o Vasco, no Rio de Janeiro. A partida entre campeões brasileiros está marcada para as 16 horas deste domingo, no estádio de São Januário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.