Cruzeiro se queixa de gramado e tenta esquecer derrota

Os jogadores e a comissão técnica do Cruzeiro usaram o estado do gramado do Estádio dos Aflitos como justificativa para a derrota por 2 a 0 para o Náutico, neste domingo, e já pensam na partida de sábado contra o Vitória, no Mineirão, quando vão jogar pela reabilitação no Campeonato Brasileiro.

AE, Agencia Estado

18 de maio de 2009 | 11h05

"Não tem condições de jogar em um campo desses, ainda mais debaixo de chuva. O Wanderley teve duas chances, a bola subiu ou parou no buraco. Eu escorreguei várias vezes", queixou-se o lateral-direito Jonathan. "O gramado estava impraticável e a gente lamenta isso. Queremos vender um produto da qualidade que temos, e não pode passar um jogo desses para o exterior", criticou o treinador Adilson Batista.

O mesmo Adilson, no entanto, disse que o time deve esquecer os três pontos perdidos e pensar no duelo com o Vitória, que mantém 100% de aproveitamento, assim como o Internacional, antes de falar do São Paulo, adversário nas quartas-de-final da Libertadores. "Agora não dá para ficar falando do São Paulo, temos primeiro o Vitória pela frente. Vamos descansar e na terça-feira começar os trabalhos para o jogo de sábado", disparou.

Para o lateral-esquerdo Athirson, o time não pode antecipar os passos na preparação. "Temos que trabalhar para enfrentar o Vitória e somar os pontos necessários para a gente continuar na briga?, afirmou o jogador. "Não adianta ficarmos lamentando a derrota." A equipe deixou o Recife nesta segunda-feira pela manhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.