Célio Messias
Célio Messias

Cruzeiro segura boa fase do Palmeiras em Araraquara e arranca empate

Sequência de vitórias do Alviverde termina e Brasileiro permanece aberto

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2016 | 21h48

Sem poder jogar no Allianz Parque por causa do show do cantor de ópera Andrea Bocelli, o Palmeiras levou a partida contra o Cruzeiro para Araraquara e enquanto o tenor italiano dava seu show na casa alviverde, os comandados de Cuca lutavam para fazer mais uma vítima no Brasileiro. Mas o que se viu foi um jogo equilibrado, onde o time mineiro até foi melhor na segunda etapa e o 0 a 0 acabou de bom tamanho para o líder . 

O Cruzeiro, de Mano Menezes, vinha de duas vitórias consecutivas e em clara ascensão técnica. Por isso, Cuca sabia que precisava de todas suas forças para superar o adversário mineiro. Assim, escalou Gabriel Jesus, que na terça-feira havia defendido a seleção brasileira e também queria contar com Mina, mas o colombiano chegou muito cansado da seleção. 

A vontade em contar com a dupla era  tão grande, que o Palmeiras divulgou a escalação faltando 20 minutos para iniciar o jogo. Mina  passou por testes no vestiário e foi detectado que seria um risco colocá-lo ele jogar.  Mais uma vez Gabriel Jesus mostrou comprometimento com o clube, mas claramente faltava fôlego, principalmente no segundo tempo. Mesmo assim, o Palmeiras foi valente na primeira etapa e, não chegou a dar um show ao estilo Andrea Bocelli, mas teve boa movimentação, criou chances de gol e não terminou a primeira etapa na frente por detalhes.

Parecia que no segundo tempo, o tão esperado gol, que serviria para pressionar ainda mais o Flamengo sairia. Experiente, Mano Menezes mexeu taticamente na equipe, adiantou a marcação e passou a ter o domínio da partida.

Aos 17, o melhor lance do jogo. Robinho, que ainda pertence ao Palmeiras, fez boa tabela com Ábila, saiu na cara de Jailson, bateu por cima do goleiro e finalizou. Zé Roberto, no alto dos seus 42 anos, se jogou na bola como um garoto e salvou em cima da linha.

O lance aguçou ainda mais a vontade do Cruzeiro em conseguir o feito de vencer duas vezes o líder no Brasileiro. Cuca mexeu errado, tirou Dudu e Róger Guedes e manteve Gabriel Jesus, cansado, em campo. Assim, o time perdeu o contra-ataque e teve que passar os últimos minutos da partida mais preocupado em não levar gols do que marcar. Mesmo organizado, o Cruzeiro teve mais chances, mas não soube aproveitar. 

E assim, como jogou antes do Flamengo, o Palmeiras voltou de Araraquara com um ponto na bagagem e restou apenas ficar na torcida contra o adversário carioca, que disputou o clássico com o Fluminense. No fim, o show só aconteceu mesmo no Allianz Parque.  

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 0 x 0 CRUZEIRO

PALMEIRAS (4-3-3): Jailson; Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos, Tchê Tchê e Moisés (Alecsandro); Dudu (Cleiton Xavier), Róger Guedes (Rafael Marques) e Gabriel Jesus. Técnico: Cuca

CRUZEIRO (4-4-2): Rafael; Ezequiel, Léo, Bruno Rodrigo e Bryan; Henrique, Romero, Rafinha, Robinho (De Arrascaeta) e Rafael Sobis (Ariel Cabral); Ábila (Willian). Técnico: Mano Menezes. 

Juiz: Jailson Macedo Freitas (BA)

Cartões amarelos: Ezequiel, Ábila, Henrique, Gabriel Jesus e  Rafinha. 

Público: Não divulgado.

Renda: Não divulgada.

Local: Arena Fonte Luminosa, em Araraquara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.