Cruzeiro tenta eliminar o Boca Juniors da Libertadores

Equipe mineira precisa de uma vitória simples para chegar às quartas-de-final da competição internacional

Eduardo Kattah, O Estado de S. Paulo

06 de maio de 2008 | 19h49

Com o apoio de uma grande torcida, o Cruzeiro tenta superar o Boca Juniors, nesta quarta-feira, às 19h10, no Mineirão, e avançar na Copa Libertadores.Veja também: Classificação Calendário / Resultados Embalado pela conquista do Campeonato Mineiro sobre o rival Atlético-MG, no último domingo, o time celeste promete determinação no segundo confronto com a equipe argentina, que venceu por 2 a 1 o primeiro jogo válido pelas oitavas-de-final da competição, em Buenos Aires. Para alcançar as quartas-de-final, o Boca precisa de apenas um empate. O Cruzeiro se classifica com um triunfo por 1 a 0. Caso se repita o placar da partida de ida, a decisão será por pênaltis.Os cruzeirenses querem reproduzir no Mineirão o "caldeirão" do La Bombonera. Até o final da tarde de ontem (06) já haviam sido adquiridos pelo menos 60 mil da carga total de 69,3 mil ingressos colocados à venda antecipadamente. O retrospecto da equipe celeste como mandante no torneio continental ajuda a explicar a confiança da torcida. O Cruzeiro venceu as quatro partidas que disputou em casa (contra Cerro Porteño, Real Potosí, Caracas e San Lorenzo), marcando 12 gols e sofrendo apenas dois. "No Mineirão a gente vira um time mais forte, com vontade de querer ganhar", destacou o atacante Marcelo Moreno. Os jogadores sabem que não fizeram uma boa apresentação na capital argentina e por isso confiam num bom resultado em casa. "Não jogamos bem na Bombonera e precisamos vencer. Vamos motivados, mas com os pés no chão para não sermos surpreendidos", ressaltou o volante Charles."Jogar em La Bombonera é pesado. Só nós jogadores sabemos como é. Há uma pressão grande e o campo não é tão grande como o Mineirão. Vamos tentar mostrar para eles um outro futebol, pensar, criar jogadas, para ter um time bem ofensivo", reforçou o atacante boliviano.A dúvida do técnico Adilson Batista é em relação ao aproveitamento do lateral-esquerdo Jadilson, que se recupera de uma torção no tornozelo esquerdo, sofrida no clássico do último domingo. Caso não reúna condições, Marquinhos Paraná deverá ser deslocado para a lateral. Nesta terça (06), na última atividade antes da partida, Adilson voltou a recorrer ao mistério e comandou durante uma hora um treino secreto na Toca da Raposa II.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.