Fran Constante/LightPress
Fran Constante/LightPress

Cruzeiro triunfa e manda a Chapecoense para zona da degola

Equipe celeste se afasta do Z-4 com vitória fora de casa

JOÃO PRATA, Especial para O Estado de S. Paulo

20 de setembro de 2015 | 20h41

O Cruzeiro conquistou neste domingo uma importante vitória na luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Derrotou a Chapecoense por 2 a 0, fora de casa, e abriu dois pontos de distância da degola. O time catarinense, no entanto, acumulou oito jogos consecutivos sem vencer e fechou a 27ª rodada entre os quatro piores - é o 17º, com 31 pontos. A equipe mineira está no 13º lugar, com 33.

Com um trio de atacantes, o Cruzeiro impôs o ritmo de jogo desde o início e abriu o placar logo aos 11 minutos de partida. Mas não foi nenhum dos homens de frente que fez o primeiro. O lateral-direito Fabiano bateu de longe, a bola desviou no gramado e enganou o goleiro Danilo: 1 a 0.

A Chapecoense equilibrou a partida, mas não conseguia dar trabalho ao goleiro Fábio. Levou o segundo aos 23 em uma infelicidade de Rafael Lima. Willian cobrou falta na área pelo lado esquerdo e o zagueiro desviou contra a própria meta. Com os 2 a 0 no placar, a Chapecoense ainda demorou para criar uma boa chance. A primeira veio aos 37 minutos. William Barbio arrancou pela direita, deu o drible da vaca em Fabiano e cruzou em direção a Bruno Rangel. O goleiro Fábio, no entanto, saiu bem para cortar de soco.

A jogada acordou os torcedores e a Chapecoense passou a dominar o final do primeiro tempo. No último minuto, os anfitriões quase diminuíram com um golaço. Após cruzamento na área, Bruno Silva mandou de bicicleta e acertou a trave direita de Fábio.

O técnico Guto Ferreira voltou com duas alterações para o segundo tempo. Camilo e Wagner entraram nos lugares de Gil e Tiago Luis. No entanto, a equipe se mostrava ansiosa para reagir no jogo e cometia muitos erros de passes. William Barbio continuava como principal referência e incomodava o Cruzeiro em jogadas pela direita, mas sem assustar o goleiro Fábio.

Recuado, o Cruzeiro ainda conseguiu se complicar na metade da final, quando Willians cometeu falta em Camilo e recebeu o cartão vermelho. Mano Menezes tratou de fechar mais o time com a entrada de Uillian Correia no lugar de Ariel Cabral. A Chapecoense passou a pressionar e Barbio, sempre ele, perdeu duas chances. Na primeira, cabeceou livre para fora e, na outra, tocou de calcanhar com perigo.

O Cruzeiro se defendia bem e não deixava os anfitriões chegarem perto de sua meta. Na base do desespero, a Chapecoense abusava das bolas alçadas à área, sem oferecer o menor perigo ao adversário e por isso terminou a rodada na zona de rebaixamento.

A equipe de Chapecó volta suas atenções agora para a Copa Sul-Americana. Na quinta-feira, visitará o Libertad, do Paraguai, no jogo de ida das oitavas de final. O Cruzeiro tem a semana para trabalhar e volta a campo apenas no domingo, quando receberá o Coritiba no Mineirão, pela 28ª rodada do Brasileiro.

FICHA TÉCNICA:

CHAPECOENSE 0 X 2 CRUZEIRO

CHAPECOENSE - Danilo; Caramelo, Rafael Lima, Thiego e Dener Assunção; Elicarlos (Cleber Santana), Bruno Silva e Gil (Camilo); Tiago Luis (Wagner), William Barbio e Bruno Rangel. Técnico: Guto Ferreira.

CRUZEIRO - Fábio; Fabiano, Manoel, Paulo André e Fabrício; Willians, Charles e Ariel Cabral (Uillian Correia); Alisson (Marquinhos), Allano (Marcus Vinícius) e Willian. Técnico: Mano Menezes.

GOLS - Fabiano, aos 11, e Rafael Lima (contra), aos 23 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO - Wagner Nascimento Magalhães (RJ).

CARTÕES AMARELOS - Willians (Cruzeiro); Wagner e Wiliam Barbio (Chapecoense).

CARTÃO VERMELHO - Willians (Cruzeiro).

RENDA E PÚBLICO - não disponíveis.

LOCAL - Arena Condá, em Chapecó (SC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.