Cruzeiro vence e termina a fase em primeiro

Sem vários titulares, o Cruzeiro venceu nesta quarta-feira o Caracas, por 3 a 2, na capital venezuelana e garantiu o primeiro lugardo Grupo 3, já que o Santos Laguna do México e o Universidade deConcepción empataram em 2 a 2 no Chile. Com isso, o time mineiroterminou a fase classificatória com 13 pontos ganhos, seguido pelaequipe mexicana, que somou 12 pontos. De olho no confronto decisivo com o rival Atlético-MG, no próximodomingo, pela final do Campeonato Mineiro, o técnico Paulo César Gusmãomandou a campo um time sem sete titulares. Além de Alex, que nem viajoupara Caracas, e Guilherme ainda lesionado, ele decidiu poupar Wendell,Edu Dracena, Maicon, Recife e Jussiê.No primeiro tempo, o time mineiro não encontrou resistência da equipeda casa e com facilidade abriu uma vantagem de dois gols. Aos 21minutos, o meia Marcinho, que tinha a obrigação de substituir o craqueAlex, recebeu livre na esquerda, dentro da área, e chutou forte,fazendo 1 a 0. Menos de um minuto depois, o atacante Lima - outro queganhou uma chance entre os titulares, entrando no lugar de Jussiê -ampliou, chutando entre as pernas do goleiro Golindano.Numa bobeada da marcação celeste, o time venezuelano descontou, apósreceber na área um passe da esquerda, aos 31 minutos.O domínio do jogo, no entanto, permanecia com a equipe brasileira enos acréscimos do árbitro boliviano René Ortubé, Lima tabelou com ocompanheiro Schwenck e fez o seu segundo gol na partida, o terceiro doCruzeiro.Após o intervalo, o campeão brasileiro diminuiu bastante o ritmo e deuespaço para que o Caracas criasse chances de gol. Aos 29 minutos, oárbitro marcou pênalti para o time da casa num lance entre o zagueiroCris e o meio-campista Rojas. O brasileiro Pereira cobrou e marcou osegundo da equipe venezuelana, que passou a pressionar em busca doempate. E foi com uma dose de sorte que o Cruzeiro deixou o estádio com umresultado positivo. O atacante Guerra por pouco não igualou o marcador,aos 39, e depois acertou o travessão de Gomes, aos 46 minutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.