Cruzeiro vence Grêmio por 3 a 1 no Mineirão

O Cruzeiro largou na frente na semifinal brasileira da Copa Libertadores ao vencer o Grêmio por 3 a 1, nesta quarta-feira à noite, no Mineirão, em Belo Horizonte. O time mineiro, com o resultado, manteve os 100% de aproveitamento em casa na competição continental e construiu uma significativa vantagem para chegar à decisão.

EDUARDO KATTAH, Agencia Estado

25 de junho de 2009 | 00h10

Para passar à final, o clube gaúcho precisará, no jogo da volta, em Porto Alegre, vencer por 2 a 0 ou um placar acima de 3 a 1. O time do técnico Adilson Batista, por sua vez, pode até perder por um gol de diferença, que mesmo assim estará na decisão.

Mais objetivo e aproveitando os erros seguidos da defesa cruzeirense, o Grêmio criou na etapa inicial claras chances para abrir o marcador. O atacante Maxi López desperdiçou uma oportunidade incrível aos 21 minutos, após um erro na saída de jogo do Cruzeiro. Livre e de frente para o gol, o argentino chegou a tirar o goleiro Fábio do lance, mas tocou para fora. A bola ainda resvalou na trave.

Desarticulada em campo, a equipe mineira tinha dificuldades para chegar ao gol adversário e superar a marcação do tricolor gaúcho. A primeira oportunidade para o time da casa ocorreu apenas aos 29 minutos, quando após uma confusão na área do Grêmio, o lateral-direito Jonathan tocou por cima, obrigando o goleiro Marcelo Grohe a fazer grande defesa.

Embora pouco organizado em suas ações ofensivas, o time cruzeirense conseguiu inaugurar o marcador aos 37 minutos. O atacante Kléber cruzou da direita, Wellington Paulista se antecipou ao adversário e fez de cabeça: 1 a 0. O gol despertou a torcida no Mineirão e os jogadores do Cruzeiro, que adotou uma nova postura em campo.

E a vitória começou a ser consolidada logo na volta do intervalo. A um minuto do segundo tempo, o meia Wagner arriscou da intermediária, a bola desviou e foi parar no fundo das redes.

O Cruzeiro ainda ampliou aos 22. Marquinhos Paraná cruzou e o volante Fabinho, estreante na Libertadores, escorou de cabeça, no canto direito de Marcelo Grohe. O gol levou ao delírio os mais de 51 mil torcedores presentes no estádio.

Num lance inusitado, aos 29 minutos, a partida foi paralisada porque o árbitro chileno Henrique Osses sentiu uma lesão na panturrilha e precisou ser substituído pelo quarto árbitro, Jorge Osorio.

No recomeço do jogo, o novo árbitro marcou toque de Kléber na intermediária. O meia Souza cobrou colocado por cima da barreira, sem chances para o goleiro Fábio, que ficou estático: 3 a 1.

A partir daí só deu Grêmio, que passou a pressionar em busca do segundo gol, enquanto o time mineiro se defendia como podia. Acuado e com os atletas demonstrando cansaço, o Cruzeiro, porém, conseguiu segurar a pressão da equipe do técnico Paulo Autuori e garantir o importante triunfo.

HOMENAGEM - Antes da partida o técnico do Cruzeiro, Adilson Batista, e o meia Alex, ex-ídolo celeste e atualmente no Fenerbahçe, da Turquia, foram homenageados pela diretoria celeste e pelo governador de Minas Aécio Neves (PSDB), um declarado cruzeirense. O meia, que comandou o Cruzeiro na conquista da Tríplice Coroa - Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro - em 2003, deu uma volta olímpico no estádio e foi ovacionado pela torcida presente no Mineirão.

Ficha Técnica:

Cruzeiro 3 x 1 Grêmio

Cruzeiro - Fábio; Jonathan, Leonardo Silva, Thiago Heleno e Elicarlos (Jancarlos); Fabinho, Henrique, Marquinhos Paraná e Wagner (Bernardo); Wellington Paulista e Kléber. Técnico: Adilson Batista.

Grêmio - Marcelo Grohe; Thiego, Léo, Réver e Fábio Santos; Adílson, Túlio, Tcheco e Souza; Alex Mineiro (Herrera) e Maxi López. Técnico: Paulo Autuori.

Gols - Wellington Paulista, aos 37 minutos do primeiro tempo; Wagner, a um, Fabinho, aos 22, e Souza, aos 33 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Elicarlos (Cruzeiro); Tcheco e Marcelo Grohe (Grêmio).

Árbitro - Henrique Osses (Chile) (substituído por Jorge Osório).

Renda - R$ 1.387.604.

Público - 51.296 pagantes.

Local - Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.