Cruzeiro vence o Vasco e toma liderança do Brasileiro

O Vasco recebeu o Cruzeiro, neste sábado à noite, em São Januário, com o objetivo de abrir vantagem na liderança do Brasileiro e, de quebra, vingar a derrota imposta pelos mineiros no ano passado, a única sofrida pelos vascaínos em seus domínios na edição 2011 do nacional. Então vice-líderes, os cruzeirenses foram ao Rio em busca de um empate que os mantivesse na cola dos rivais cariocas. Obtiveram muito mais. A vitória por 3 a 1 leva a equipe celeste aos 14 pontos e ao topo da tabela, um ponto à frente dos cariocas.

LEONARDO MAIA, Agência Estado

23 de junho de 2012 | 20h52

Diego Souza havia dito na véspera que seria impossível que a história se repetisse. Mas foi justamente isso que ocorreu. E não ajudou os cruzmaltinos o desfalque de Juninho Pernambucano, derrubado por uma gripe.

"Nosso time é guerreiro, corre atrás e vamos fazer de tudo para voltar para a ponta. Vamos lutar pelo campeonato", disse o zagueiro Dedé.

Os vascaínos agora tem uma semana para reagrupar antes de receber a Ponte Preta, dia 30. Os mineiros defenderão a liderança contra o São Paulo, em Belo Horizonte, no mesmo dia.

Assim como há um ano, a proposta mineira era clara, 10 homens atrás da linha da bola e avanços homeopáticos, sem riscos. Com isso, o jogo era amarrado. Até os 40 minutos, os celestes não haviam arriscado nenhum arremate, mas ao mesmo tempo limitavam os vascaínos a chutes imprecisos de média e longa distância.

O gol saiu de uma jogada inusitada. Na tentativa de evitar um lateral em reposição de bola equivocada de Fernando Prass, Eder Luís iniciou o avanço de Montillo, que serviu Leo. Wellington Paulista pegou o cruzamento e carimbou um companheiro. Na sobra, o argentino acertou um petardo de canhota, na veia, no ângulo direito de Prass.

Na tentativa de dar mais visão e qualidade ao meio de campo, o técnico Cristóvão Borges sacou Fellipe Bastos e lançou o lateral Thiago Feltri, deslocando Felipe para a criação. Carlos Alberto entrou pouco depois, no lugar de Eder Luis.

A partida ficou muito mais animada, o que se refletiu em mais gols. Aos 18, Wellington Paulista pegou Prass mal colocado e caprichou um chute por cobertura para marcar lindo gol. A resposta veio em lance semelhante. Fábio saiu muito mal e Rodolfo o encobriu de cabeça, três minutos depois.

A falha poderia ter custado caro, mas as mexidas de Roth garantiram a vitória. Tinga e Anselmo Ramon, poucos minutos depois de entrar em campo, combinaram para fazer o terceiro gol mineiro, aos 35.

FICHA TÉCNICA:

VASCO 1 X 3 CRUZEIRO

VASCO - Fernando Prass; Fagner, Dedé, Rodolfo e Felipe; Rômulo, Nilton, Fellipe Bastos (Thiago Feltri) e Diego Souza (William Barbio); Eder Luis (Carlos Alberto) e Alecsandro. Técnico - Cristóvão Borges.

CRUZEIRO - Fábio; Leo, Mateus, Victorino e Everton; William Magrão (Tinga), Leandro Guerreiro, Charles e Montillo; Fabinho (Souza) e Wellington Paulista (Anselmo Ramon). Técnico - Celso Roth.

GOLS - Montillo, aos 41 minutos do primeiro tempo. Wellington Paulista, aos 18, Rodolfo, aos 21, Anselmo Ramon, aos 35 do segundo tempo.

ÁRBITRO - André Luiz de Freitas Castro (GO).

CARTÃO AMARELO - Felipe, Dedé. Mateus, William Magrão, Fabinho.

RENDA e PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio de São Januário, no Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroVascoBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.