Augusto Oliveira/RCortez/Ascom CSA
Augusto Oliveira/RCortez/Ascom CSA

CSA aposta em time ofensivo para superar Athletico-PR no Rei Pelé

O time é o vice-lanterna do Brasileirão, com apenas seis pontos

Redação, Estadão Conteúdo

20 de julho de 2019 | 13h44

Contando com o apoio de seus torcedores e na expectativa de enfrentar um Athletico Paranaense com uma equipe alternativa, o CSA vai com tudo para o ataque no duelo deste sábado, às 19h, no Estádio Rei Pelé, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. O técnico Argel Fucks ensaiou uma equipe ofensiva, com três atacantes, visando encerrar a série de quatro derrotas consecutivas.

O treinador testou uma formação com Cassiano, Alecsandro e Ricardo Bueno no setor ofensivo. As outras mudanças foram no meio-campo. Jean Kléber entrou na vaga do volante Nilton, suspenso, enquanto Dawhan ganhou a briga com Naldo na equipe titular. Já Victor Paraíba disputa com Maranhão o lugar de Jonatan Gomez.

Na atividade de sexta-feira, porém, o zagueiro Luciano Castán virou dúvida ao ser poupado após sentir dores no adutor da coxa direita. Ele será reavaliado antes da partida para saber se terá condições de jogo. Ronaldo Alves é o provável substituto.

"A gente não sabe ainda quem vai jogar, mas sabemos que se não dormir com chuteira e caneleira no outro dia pode aparecer no banco. A gente vem trabalhando a semana inteira para estar entre os onze no sábado", disse Jean Kléber.

Durante toda atividade ao longo da semana, Argel Fucks salientou a necessidade do CSA não sofrer gols. "Não podemos tomar gols. Precisamos fechar a casinha para deixar com que os atacantes resolvam lá na frente. Trabalhamos ao longo da semana em cima disso e acredito que faremos grande jogo contra o Athletico-PR", revelou o treinador.

A situação do CSA é delicada. O time é o vice-lanterna do Brasileirão, com apenas seis pontos. O primeiro fora da zona de rebaixamento é o Vasco, com nove.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.