Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Cuca critica a adoção do árbitro de vídeo: 'Será uma lambança'

Técnico vê mudança como precipitada e considera melhor que a inovação fosse introduzida apenas no próximo ano

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

19 de setembro de 2017 | 07h00

O técnico Cuca, do Palmeiras, atacou nesta segunda-feira a possível adoção já na próxima rodada do Campeonato Brasileiro do recurso de árbitro de vídeo para auxiliar nas decisões em campo. Para o treinador, a mudança que deve ser implementada pela CBF já no fim de semana que vim é apressada e será colocada em prática sem a devida discussão e acordo sobre as condições de uso.

A novidade veio no dia seguinte ao polêmico gol de Jô, do Corinthians, que completou com o braço cruzamento feito por Marquinhos Gabriel para decretar a vitória do time por 1 a 0 sobre o Vasco. "Será a maior lambança. Não estão preparados. Eu posso pedir o árbitro de vídeo? O meu capitão pode pedir? Ou só o árbitro? Vai entrar uma mudança faltando 15 jogos só por conta de um erro crasso? Melhor começar certinho no ano que vem", criticou.

Cuca falou sobre o tema depois da vitória por 1 a 0 do Palmeiras sobre o Coritiba, no Pacaembu. O resultado recolocou a equipe na quarta posição do Brasileiro. O Flamengo ocupou temporariamente a colocação depois de ter vencido o Sport, por 2 a 0, no domingo, no Rio.

O treinador palmeirense lamentou que a decisão do árbitro de vídeo entrará em vigor sem a devida discussão. "Seria melhor regular o tempo (de espera para a análise do lance), regular a conduta dos jogadores. Tem tudo para ser uma lambança ainda pior. Deveríamos esperar o ano que vem. Vai ter o árbitro de vídeo em todos os jogos mesmo? Isso custa caro", comentou Cuca.

O presidente do clube, Mauricio Galiotte, também considerou a adoção muito apressada. "Acho que se tivesse sido implementado desde o início, seria a forma melhor. Todos condicionados e preparados para isso. Sem dúvida nenhuma seria melhor do que uma semana para outra", afirmou o dirigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.