Cesar Greci/Ag. Palmeiras
Cesar Greci/Ag. Palmeiras

Cuca defende cobranças internas do time sobre Borja no Palmeiras

Treinador entende a necessidade de o atacante colombiano sentir a pressão para melhorar e reconquistar espaço

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

23 de setembro de 2017 | 07h00

O técnico Cuca, do Palmeiras, não pretende aliviar para Miguel Borja no Palmeiras. Nesta sexta-feira o treinador defendeu a importância de cobranças internas no elenco para auxiliar no desenvolvimento do jogador, como a ocorrida na última semana, quando uma bronca do volante Thiago Santos causou irritação no atacante colombiano, que deixou a atividade mais cedo.

Na terça-feira o jogador colombiano ouviu durante a atividade pedidos para ajudar mais na marcação. As colocações causaram incômodo e Borja saiu do campo, ficou sentado no gramado e foi acalmado por Cuca antes de fazer as pazes com Thiago Santos. "Essa semana teve uma cobrança, falaram para ter uma participação maior. É importante ter essa cobrança. Faz parte da democracia do futebol. É importante que tenha cobrança interna, é sempre favorável", comentou o treinador nesta sexta.

Borja completou nesta semana três meses sem marcar gol. Cuca manterá como titular no ataque Deyverson por enquanto, pois espera mais evolução do colombiano. Apesar de reprovar o excesso de expectativa pelo desempenho da contratação mais cara da temporada (R$ 33 milhões), o treinador considera que o atacante precisa de mais adaptação ao futebol brasileiro para render.

"Ele é um jogador que tem a nossa confiança. Às vezes não começa o jogo, mas é importante", disse o treinador. Na segunda-feira, durante a vitória por 1 a 0 sobre o Coritiba, no Pacaembu, alguns torcedores pediram a entrada de Borja na partida. Cuca colocou o atacante durante dez minutos, na vaga de Deyverson.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.