Cuca deixa o São Paulo

Com confirmação da saída de Cuca, Emerson Leão aceita conversar com o São Paulo. Declarou abertamente na TV Bandeirantes. No Morumbi, muitos cardeais são favoráveis à chegada de um treinador disciplinador, durão, perfil do ex-técnico do Cruzeiro. Segundo eles, o estilo paizão está deixando atletas acomodados. Desta maneira um possível acordo deve acontecer antes da partida de quarta-feira, contra o Paraná.Nesta quinta-feira à noite, os dirigentes se reuniram para definir nomes para substituir Cuca. Querem definir um substituto logo. Garantem, contudo, não terem iniciado contatos. ?A última vez que falei com o Leão foi em maio de 2003 quando o Oswaldo (de Oliveira) deixou o clube?, enfatizou o presidente Marcelo Portugal Gouvêa, sobre o técnico predileto do diretor de Futebol Juvenal Juvêncio.Se procuram despistar sobre o novo técnico, as coincidências apontam para o nome de Leão. Com contrato quase firmado com o Vissel Kobe, suspendeu a viagem para o Japão por ?problemas no acordo?. Caso acerte, Leão terá muito trabalho para reerguer o cabisbaixo time do São Paulo.A tarde de quinta-feira no CCT da Barra Funda foi longa. Enquanto Luís Fabiano fazia o papel de bom moço e explicava o motivo da troca do São Paulo pelo Porto, a diretoria ainda tentava manter Cuca no cargo. De comum acordo, fecharam pela troca de comando a pedido do treinador. Via-se, ainda, jogadores com semblantes fechados, horrorizados com a apresentação diante do Coritiba (derrota por 3 a 2). Semblantes fechados, envergonhados e nada de explicações. Gouvêa anunciou o fim da era Cuca no São Paulo. Agradeceu a sinceridade, honestidade e garra do ex-técnico e garantiu que as portas do clube estão abertas para possível retorno no futuro. Revelou já ter acertado as bases salariais com o lateral-esquerdo Júnior e que irá dar bronca nos ?7 ou 8 atletas que estão desmotivados.?Pelas palavras de Cuca, a eliminação nas semifinais da Libertadores para o Once Caldas, atrapalhou seu trabalho. Arrependimento? ?Se pudesse, entraria em campo aos 45 minutos e acabaria aquele jogo contra o Once Caldas (o gol da eliminação saiu nos acréscimos).? Afirma sair de cabeça erguida, mas não esconde a decepção com alguns atletas. ?Se todos tivessem o espírito vibrante de Rogério Ceni?.Em paz? ? Discurso de quem está de saída de um clube é sempre igual. ?Obrigado, aprendi muito aqui, espero um dia voltar.? Com Luís Fabiano a regra se manteve. Dizia estar realizando um sonho ao ir para o Porto. O problema foi a hora de explicar se forçou sua saída. ?Não pedi para sair,? garantiu. ?Ele não queria mais jogar pelo São Paulo, tivemos de negociá-lo?, retrucou Gouvêa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.