Sergio Neves/Estadão
Sergio Neves/Estadão

Cuca diz que não é 'normal' ficar sem vencer o Corinthians na casa do rival

Treinador revela incômodo com tabu são-paulino na arena em Itaquera: 12 jogos com 9 derrotas e três empates

Redação, Estadão Conteúdo

26 de maio de 2019 | 22h38

O tabu de não vencer o Corinthians em sua arena é algo que incomoda dentro do São Paulo: 12 jogos com 9 derrotas e três empates. O técnico Cuca, que voltou ao clube nesta temporada, e já perdeu em duas oportunidades no local - na final do Campeonato Paulista, por 2 a 1, e agora na sexta rodada do Campeonato Brasileiro -, disse que a situação não é "normal". Durante entrevista coletiva, o comandante chegou a assumir a culpa pelo momento ruim que a equipe atravessa e afirmou que o "maior culpado é aquele que escala".

"Não é normal, é muito ruim. O torcedor não tem ideia de como trabalhei essa semana, desde quinta-feira reunindo, ponto todos dentro de uma sala, mostrando a importância, o fardo que a gente leva de quatro, cinco anos sem vencer. E que agora era hora de vencer. E vir aqui e tomar um gol no começo do jogo. É muito difícil, dá uma raiva enorme. Mas tem que saber administrar essa raiva, e de alguma forma tirar proveito para o próximo jogo. É o que podemos fazer", avaliou.

O treinador destacou que o gol marcado por Pedrinho logo aos 6 minutos pesou bastante para o resultado, principalmente pela solidez defensiva apresentada pelos times montados pelo técnico Fábio Carille. "O Corinthians se fecha como poucas equipes. Acho que o Corinthians não fez uma grande partida. Fez o gol e se fechou para jogar no contra-ataque, coisa que eles fazem muito bem. Não conseguimos sair disso. Tentamos de uma forma, de outra, e não foi suficiente para fazermos o gol. A gente está com dificuldade em fazer gol".

Cuca reconheceu que a equipe teve uma queda de rendimento nos últimos confrontos, duas vezes contra o Bahia - quando empatou por 0 a 0 e perdeu por 1 a 0 - e agora no clássico. "O time sente, por ser uma equipe jovem, é natural. Vai render cada vez mais, à medida em que tiver conhecimento maior um do outro. É a realidade. A gente sabe o que falta, vamos atrás disso. Mas não adianta pôr fogo em Roma, ficar culpando todo mundo. O maior culpado é quem escala. Prefiro que eu receba as críticas do que o jogador, que vou precisar dele na quarta-feira, no domingo. Caímos uma posição, vamos buscar ganhar em casa e recuperar posições", comentou.

O São Paulo volta a campo nesta quarta-feira contra o Bahia, na Arena Fonte Nova, em Salvador, na partida de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. O time tricolor precisa reverter a derrota de 1 a 0 sofrida no estádio do Morumbi para avançar na competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.