Paulo Favero/Estadão
Paulo Favero/Estadão

Cuca é o oitavo técnico do São Paulo desde que Leco virou presidente

Dirigente garante que preferia ter tido apenas um profissional no comando do time, mas os resultados não vieram

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2019 | 10h30

Cuca será o oitavo técnico do São Paulo, sem contar as cinco vezes com interinos, desde que Leco virou presidente do clube, em outubro de 2015, após a renúncia de Carlos Miguel Aidar - em abril de 2017 ele foi eleito para um mandato até dezembro de 2020. O treinador foi anunciado pela diretoria tricolor na quinta-feira, após a saída de André Jardine do comando da equipe.

Logo que assumiu a presidência, Doriva comandava a equipe, mas Leco demitiu o técnico. Milton Cruz ficou como interino até a virada do ano. Em 2016, Edgardo Bauza comandou a equipe, mas deixou para ir para a seleção argentina. Jardine ficou como interino até a contratação de Ricardo Gomes, que não acabou o ano no clube e viu Pintado chefiar o time interinamente.

 

Em 2017, ano de eleição no clube, Rogério Ceni ganhou sua primeira chance como treinador, mas ficou alguns meses. Pintado voltou ao time como interino até a contratação de Dorival Júnior. Os resultados mais uma vez não vieram, a diretoria optou por nova demissão e Jardine assumiu o time até a chegada de Diego Aguirre. No final do ano passado, o uruguaio saiu e Jardine acabou sendo efetivado pouco depois.

"Certamente alguns deles saíram porque não se ajustaram e não apresentaram os resultados desejados. Um foi para a seleção argentina. Outros tiveram período menor, e alguns maiores, com condição de confiança e credibilidade. É um dado que compõe o processo. Posso garantir que gostaria de ter um técnico desde outubro de 2015 até aqui, mas não vieram os títulos que imaginávamos. A responsabilidade é de todos nós", lamentou Leco.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.