Cuca exige mais atitude do São Paulo

Os jogadores do São Paulo que estão acomodados que se cuidem: o fim da linha está próximo. Quem não se aplicar - e quem não der o máximo pelo time - vai perder espaço. Insatisfeito com a falta de ambição de alguns, Cuca vai exigir mais atitude do time a partir do jogo de amanhã, contra o Guarani, às 16h, no Morumbi. Depois de colocar em dúvida a aplicação do time na última derrota - 1 a 0 para o Fluminense, em Volta Redonda - hoje o treinador voltou ao assunto. Só não foi tão direto como no Rio, quando chegou a dizer: "Eu estou dando o máximo. Só não sei se todo mundo está dando o seu máximo". Mas acabou criando uma espécie de slogan, que mostra bem a sua insatisfação com a falta de aplicação de alguns jogadores. "Estamos na zona de conforto. Agora, criamos a zona do desconforto", resume o treinador. O primeiro passo para enquadrar a equipe foi dado no começo da semana: Grafite, Rodrigo e Rondón, fora de forma, foram obrigados a treinar dois dias em período integral. Se o problema persistir, o time pode passar a treinar pela manhã, e bem cedo. "Talvez seja isso que eu preciso", reconheceu o treinador, ao final do rachão de hoje. De acordo com o técnico, o material humano do São Paulo é bom. Pode não ter um elenco tão com tantas opções para a reserva como o do Santos, que investiu em várias contratações, mas se equivale em qualidade. Só precisa definir a própria identidade e os objetivos. "É o time que precisa passar confiança para nós acreditarmos que o São Paulo pode ser campeão", observa Cuca. "A hora da arrancada é agora. Temos de mostrar aquele algo a mais que pode nos colocar na luta direta pelo título ou não". Algo a mais é não desistir jamais, acreditar sempre na vitória, usar o exemplo dado pelo Palmeiras em Salvador. O time perdia por 2 a 0 para o Vitória e foi buscar o empate, na raça, lutando até o último instante. Cuca quer 11 jogadores que tenham esse espírito. É isso que ele vai procurar no elenco, a partir de amanhã. "Aqui tem esses 11. E eu vou encontrá-los", promete o técnico. Os jogadores odeiam o assunto mas reconhecem que a responsabilidade é deles. Até o menino Cicinho dá razão ao chefe. "Se ele tá falando, cabe a nós dar esse algo a mais". Para complicar ainda mais a situação da equipe, a semana de trabalho também não foi das melhores. Vélber sentiu uma contusão no tendão de Aquiles da perna direita e não deve jogar, abrindo até uma chance para Grafite, que estava fora dos planos até a contusão do meia. Nos dois coletivos, a equipe não encaixou. Cuca ficou tão apreensivo com o desempenho que resolveu gravar em vídeo o último coletivo. Prometeu mostrar aos jogadores na concentração, hoje à noite. Mesmo assim, está confiante. "Se o time der o máximo, teremos uma boa chance para somar três pontos e, quem sabe, dependendo de uma combinação de resultados, terminar a rodada em segundo lugar na classificação". Outro cuidado do treinador: deixar bem claro que o Guarani não será um adversário fácil.

Agencia Estado,

27 Agosto 2004 | 17h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.