Cuca pede desculpas ao elenco são-paulino

Cuca reuniu-se com o elenco, nesta quinta-feira, para pedir desculpas por sua expulsão durante a partida contra a Liga Deportiva Universitária (LDU), vencida pelo São Paulo por 1 a 0, pela Libertadores. O treinador disse que errou e agradeceu aos atletas pelo empenho. "Ele sabe que teria de dar o exemplo", comentou o zagueiro Rodrigo.O técnico reconheceu que deixaria o campo como grande vilão se o São Paulo não tivesse conquistado os 3 pontos. E comprometeu-se a pagar a multa para a caixinha da equipe e a oferecer um churrasco para o grupo. "Não é uma coisa boa o que aconteceu, mas também não foi nada de absurdo", afirmou o goleiro Rogério Ceni. "Mas nosso tribunal não o absolveu. Ele foi derrotado, na votação, por uns 25 a 2 e terá de colaborar com a caixinha."O comandante são-paulino foi expulso no intervalo do jogo com a LDU por ter jogado a bola no rosto do técnico rival, Jorge Fossatti. Ele havia se irritado com algumas atitudes de Fossatti, que chegou a entrar no campo para pedir cartão vermelho a Gustavo Nery. O curinga do São Paulo realmente merecia ter sido punido, pois pisou em Reasco.Vários conselheiros do São Paulo condenaram a ação do treinador, mas a diretoria o absolveu e não vai levar o caso à frente. "O Cuca conversou conosco e explicou o que houve. Ele é muito jovem, já estava um pouco nervoso com as provocações que recebeu em Quito e levou isso para o Morumbi, embora não devesse", declarou o presidente Marcelo Portugal Gouvêa.O episódio envolvendo o treinador lembrou o deslize de Jair Picerni na final da Libertadores de 2002, entre São Caetano e Olimpia. A equipe do ABC precisava apenas do empate para ficar com o título e vencia por 1 a 0, no Pacaembu. Picerni, então comandante do Azulão, desentendeu-se com um atleta adversário e acabou expulso. O time sofreu a virada e deixou a taça escapar. E o treinador, considerado à época como um dos maiores culpados pela derrota, perdeu o emprego.Embora não sirva de desculpa, Cuca anda, ultimamente, mais nervoso que o normal. Sua filha mais nova, Natasha, de 11 anos, que teve pneumonia no fim de 2003, luta contra alguns problemas de saúde.Com a vitória de quarta-feira, o São Paulo chegou a 9 pontos no grupo 4 da Libertadores, manteve-se na segunda posição e se aproximou de garantir vaga na próxima fase.

Agencia Estado,

11 de março de 2004 | 19h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.