Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Cuca pede paciência com readaptação de Pato ao futebol brasileiro

Para treinador, atacante terá de tomar cuidados para evitar lesões após período no futebol chinês

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2019 | 04h30

Logo após o primeiro treinamento do atacante Alexandre Pato com o elenco do São Paulo, na tarde desta segunda-feira, Cuca afirmou que é preciso paciência com o novo reforço. Na opinião do treinador, o atacante vai precisar de um período de adaptação para os dois anos no futebol chinês.

"Fico feliz por ele ter vindo para o São Paulo. Agora é uma etapa diferente, vamos ter de ter uma paciência um pouco maior, ele está há quatro, cinco meses sem jogar. Tomar todos os cuidados para condicionar sem expor a risco de lesão, é uma coisa natural", afirmou o treinador em entrevista coletiva na noite desta segunda-feira.

Questionado sobre a posição do novo reforço, Cuca afirma que vê Pato rendendo bem próximo da área do adversário. "Vejo o Pato jogando como um definidor, o que ele tem de melhor é a definição da jogada. Quanto mais próximo do gol ele estiver, melhor", afirmou Cuca.

Atualmente, o São Paulo conta com o atacante Pablo como jogador de referência na área. Gonzalo Carneiro, que está recuperado de uma tendinite no joelho direito, também faz essa função, mas vinha sendo escalado pelos lados do campo.

Pato não poderá atuar no Campeonato Paulista nem em uma eventual final, caso o São Paulo vença o Palmeiras. Ele será preparado para o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil.

Com o empate por 0 a 0 no primeiro jogo, o São Paulo pode se classificar à final do Paulistão com qualquer vitória, domingo, na arena do Palmeiras. Em caso de novo empate, a decisão vai para os pênaltis. Nos últimos sete clássicos entre os dois times, foram sete vitórias da equipe alviverde. “A gente não sabe o que vai acontecer, mas temos a oportunidade de quebrar esse tabu”, afirmou o treinador, que vai estrear diante do time pelo qual conquistou o título brasileiro de 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.