Cuca reclama e culpa expulsões por derrota atleticana

O técnico Cuca apontou as expulsões do zagueiro Jemerson e do volante Rosinei como fatores determinantes para a derrota do Atlético Mineiro por 2 a 0 para a Ponte Preta, na noite de quarta-feira, no Moisés Lucarelli, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ele avaliou que o time dominava a partida até a exclusão do zagueiro da partida e criticou as decisões do árbitro Felipe Gomes da Silva.

AE, Agência Estado

10 de outubro de 2013 | 11h16

"Até a expulsão do Jemerson, com pouco mais de meia hora de jogo, a gente era dono da partida, criando oportunidades, jogando no campo de ataque e com velocidade. A partir da expulsão, virou outro jogo. Não precisava expulsar, o jogador não teve intenção clara de fazer o pênalti, que foi até discutível. A outra expulsão é um escândalo, nem falta o Rosinei fez. Você fica com dois a menos e se arrisca a tomar quatro ou cinco", disse Cuca.

Para o treinador atleticano, o seu time poderia ter vencido a Ponte Preta se dois jogadores não fossem expulsos, mesmo que ele tenha escalado uma equipe formada basicamente por reservas.

"As arbitragem estão sendo muito duras com a gente nesse quesito. Em Criciúma, nós perdemos o Victor em um lance polêmico. Hoje, em dois lances, você dá um cartão amarelo, enquanto o outro nem falta foi. Perdemos dois jogadores e temos que lamentar porque a julgar como estávamos jogando com 11 contra 11, era jogo para a gente ter ganho", afirmou.

Derrotado pela Ponte Preta, o Atlético-MG permanece na quinta colocação no Campeonato Brasileiro, com 39 pontos, mas pode ser ultrapassado nesta quinta-feira pelo Internacional. A equipe volta a entrar em campo no próximo domingo, quando vai receber o Cruzeiro, no Independência, em partida válida pela 28ª rodada.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoAtlético-MGCuca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.