Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

Cuéllar diz que fica no Flamengo e nega atrito com Rodinei: 'Meu parceiro'

Momento de irritação do colombiano foi flagrado pela imprensa durante treino, mas o jogador afirmou que não se tratou de nada anormal

Estadão Conteúdo

21 Agosto 2018 | 14h56

O volante Cuéllar negou nesta terça-feira que exista alguma rusga dentro do elenco do Flamengo. Após treinamento no CT do clube em Vargem Pequena, no Rio de Janeiro, o colombiano aproveitou a entrevista coletiva de imprensa para dizer que não pensa em mudar de clube e que não há problema entre Rodinei e ele, após discussão entre os dois no último domingo, durante a derrota por 3 a 0 para o Atlético Paranaense, em Curitiba.

"Totalmente falso, Rodinei é meu amigo, meu parceiro e me recebeu bem quando cheguei aqui. Eu o admiro muito pelo que ele viveu no futebol e na vida. Fiquei triste por ter cobrado ele durante o jogo. Sempre quero o melhor para ele, tento conversar para dar ânimo. Foi uma briga que ficou no campo", explicou o volante nesta terça-feira.

A derrota resultou na queda do Flamengo de segundo para o terceiro lugar na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. A equipe carioca terminou o primeiro turno com 37 pontos, contra 38 do Internacional e 41 do São Paulo. Ao final do treino, fechado em sua maior parte, um momento de irritação de Cuéllar foi flagrado pela imprensa, mas o jogador afirmou que não se tratou de nada anormal.

"Eu me irritei comigo mesmo. Querem criar no Flamengo uma briga generalizada, mas que não existe. Temos um elenco muito qualificado, de pessoas e jogadores. Peço a quem quer tumultuar o nosso ambiente que não entre nessa", disse o colombiano, especulado nos últimos dias para deixar o clube ainda nesta janela de transferências, que se encerra no final do mês.

"Normal que os jogadores se sentem com seus representantes para discutir o que está acontecendo na vida diária, pessoal e projetar coisas que sejam importantes para a carreira. Acabei de renovar um contrato com o Flamengo, até 2022, e não quero sair sem cumpri-lo. Sou muito grato ao clube por ter me apoiado e dado tudo até agora no futebol. Meu sentimento de ficar e ganhar títulos aqui não mudou", atestou.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.