Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Cueva celebra encontro com Sampaoli no Santos e minimiza polêmicas no São Paulo

Meia, que já estreou pela equipe, foi apresentado oficialmente nesta quinta-feira

Redação, Estadão Conteúdo

14 de fevereiro de 2019 | 18h52

Apesar de já ter estreado no último fim de semana, contra o Mirassol, Cueva foi oficialmente apresentado como reforço do Santos somente nesta quinta-feira. Contratado junto ao Krasnodar, da Rússia, o peruano celebrou a oportunidade de vestir as cores do clube e de atuar sob o comando do técnico Jorge Sampaoli.

"Já conheço o Sampaoli há um tempo. Tenho muitos amigos em comum e admiração por ele. Estou feliz de estar na equipe dele, sei o que quer para o time e entendo isso", declarou o meia, lembrando que o treinador argentino comandou quatro clubes peruanos no início da carreira.

Cueva foi contratado por empréstimo até o fim de 2020, quando passará a valer outro acordo entre as partes, em definitivo e que irá vigorar até o fim de 2022. Por mais que o Santos não tenha anunciado, a tendência é que tenha que desembolsar US$ 7 milhões (cerca de R$ 26 milhões) para completar a transação.

"Conheço o Santos e a história que tem. Grandes jogadores já passaram pelo time. É um clube muito grande e me sinto muito feliz por isso. Fiquei feliz com a oportunidade de ter voltado ao Brasil. Tive aprendizados positivos e negativos aqui. Chego para jogar da melhor maneira e deixar minha marca aqui", comentou.

A primeira passagem de Cueva pelo Brasil aconteceu entre 2016 e 2018, quando vestiu a camisa do São Paulo. Apesar de ter demonstrado seu talento pelo clube, colecionou algumas polêmicas extracampo e ficou marcado por alguns episódios de indisciplina. Nesta quinta, o peruano tentou evitar o assunto, mas garantiu que as coisas não aconteceram da forma que a mídia noticiou.

"A imprensa falou muito de coisas que não aconteceram. Preferi não falar sobre na época. Agora, eu estou tranquilo e quero jogar futebol", afirmou. "Aprendi muito aqui no Brasil. Todos nos equivocamos como seres humanos, mas não tenho relação ruim com ninguém do São Paulo."

O jogador explicou ainda que ao optar pelo Santos levou em consideração também a visibilidade para servir a seleção peruana. "Queria ter uma continuidade. Penso em seleção e preciso estar jogando para chegar lá. Aqui no Santos, vou competir com grandes jogadores para conquistar meu espaço."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.