Cúpula da CBF condena travessura de Robinho

A foto de Robinho abaixando o calção de Diego no hotel da seleção brasileira correu o mundo e irritou a cúpula da CBF. Um telefonema partiu da sede da entidade, no Rio, para reclamar da comissão técnica e da assessoria de imprensa por terem permitido que os fotógrafos registrassem aquela imagem. A bronca por telefone logo se espalhou pelo hotel e chegou aos jogadores, o que os levou a mudar de comportamento, trocando as brincadeiras ruidosas e as gargalhadas pelo silêncio. Na visão da CBF, a foto de uma estrela da seleção Sub-23 abaixando o calção de outra não pega bem para a imagem do país pentacampeão do mundo e por isso a sessão de fotos para o credenciamento dos jogadores e da comissão técnica deveria ter sido feita em local fechado e longe dos olhos da imprensa. A brincadeira foi registrada por apenas dois fotógrafos. "Graças a Deus a Globo não estava lá na hora", disse um integrante da delegação, imaginando que o estrago seria ainda maior se a emissora de tevê tivesse colocado a cena em seus telejornais campeões de audiência. A bronca foi dada na noite de terça-feira, porque no final da tarde a foto já estava em vários sites no Brasil e por isso foi vista pelo comando da CBF. Como conseqüência imediata, o painel com o nome dos patrocinadores da seleção que serve de fundo para as entrevistas mudou de lugar e de função. Foi tirado da parede que fica em frente aos elevadores e colocado de atravessado no corredor que leva ao restaurante exclusivo da seleção, bloqueando a visão dos jornalistas e outros hóspedes. Também foi cogitada a possibilidade de ser suspenso o atendimento à imprensa no hotel - o que vinha ocorrendo sempre depois do almoço, antes que os atletas voltassem para seus quartos - e as entrevistas serem realizadas apenas no campo do Huachipato, onde a equipe treina. Como nesta quarta-feira foi dia de jogo, nenhum atleta pôde dar entrevistas. Mas ficou evidente a mudança de comportamento dos garotos. Sempre que desciam para o restaurante eles cumprimentavam e brincavam com os jornalistas, mas nesta quarta-feira passaram calados. Estava prevista para depois do almoço uma saída para uma caminhada num parque próximo, para que os jogadores se movimentassem um pouco e não passassem o tempo todo entediados no hotel, já que a partida começaria só às 22h10 (horário local), mas a atividade foi cancelada. Exagero - A brincadeira de Robinho, uma atitude sem maldade e típica de adolescentes, não tem poder para denegrir a imagem do futebol brasileiro e na hora foi encarada com bom humor por todos que a presenciaram, mas ganhou dimensão e virou uma nuvem negra sobre a cabeça dos meninos por causa da reação exagerada da CBF, que só nesta quarta-feira mandou para cá um chefe para a delegação - o ex-lateral Branco, coordenador das seleções de base da entidade, que chegou no meio da tarde. Para os participantes do Pré-Olímpico, muito pior foi a ausência de representantes brasileiros no almoço oferecido nesta quarta-feira pela cidade de Concepción às delegações das cinco seleções da chave. Entre as autoridades locais e os representantes de Chile, Uruguai, Paraguai e Venezuela o comentário era de que o Brasil os estava esnobando. Isso sim pega mal para a CBF.

Agencia Estado,

07 de janeiro de 2004 | 23h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.