Da rede, Rivaldo aguarda definição

Os telefones do escritório de Rivaldo, na avenida Luís Carlos Berrini, São Paulo, não pararam de tocar nesta segunda. Dirigentes do Milan e Atletico Madrid foram os primeiros a ligar. O vice-presidente do Milan, Adriano Galliani, ofereceu US$ 3 milhões e um contrato de dois anos. Os espanhóis do Atletico apenas consultaram os agentes do jogador brasileiro. A corrida atrás do craque começou quente.Carlos Arini, um dos procuradores de Rivaldo, contou que ?até meio-dia, fomos consultados pelo Milan e Atletico Madrid. Foram contatos oficiais, mas não falamos em dinheiro. Qualquer número que for divulgado não corresponde à realidade. Recebemos muitas ligações o dia inteiro, era gente interessada em negociar.?Arini reafirmou que, até o final da semana, nenhuma negociação será efetivada. Não há pressa, nem urgência em fechar um acordo. A prioridade do meia-esquerda continua sendo o futebol europeu. Além disso, só aceita jogar em um clube credenciado para disputar a Copa dos Campeões da Europa.Perspectivas - Não é o caso do Atletico Madrid, de volta à Primeira Divisão da Espanha. O clube já investiu US$ 15 milhões na contratação de Javi Moreno, espanhol que estava no Milan. Os gastos do Atletico superam a casa dos US$ 20 milhões. Para levar Rivaldo, teria de desembolsar uns US$ 7 milhões por ano. É uma conta pesada na temporada de carestia no futebol espanhol.O Real Madrid seria a primeira opção do brasileiro. Domingo à noite, em um programa da TV Record, Rivaldo brincou com Roberto Carlos. ?Roberto, liga para o Valdano (Jorge Valdano, diretor do Real) e pede para me contratar?. O lateral respondeu: ?Seria legal você vestir aquela camisa branca.?A brincadeira entre os dois jogadores da Seleção Brasileira não deve ser levada a sério mesmo. O Real Madrid investiu US$ 120 milhões nas contratações de Figo e Zidane. No início do ano se livrou de uma dívida de US$ 247 milhões, depois de vender a Cidade Desportiva (centro olímpico). O caixa não está cheio, apesar do contrato de publicidade na camisa de US$ 30 milhões assinado com a Siemens.Na Itália, os candidatos mais fortes são Milan e Lazio. A oferta do clube de Milão não sensibilizou os agentes de Rivaldo. A Lazio ainda não fez nenhum contato oficial. Antes de o jogador se desligar do Barcelona, o industrial Sergio Cragnotti, presidente da Lazio, havia feito algumas consultas aos agentes do jogador. Cragnotti não pagaria os mesmos salários (US$ 7 milhões/ano) que o Barça bancava, mas estava disposto a investir no atleta para jogar na Lazio e ser a principal peça de publicidade dos seus produtos no Brasil. Cragnotti é dono da marca de alimentos Cirio no mercado brasileiro.Outra hipótese seria a transferência para a Inter de Milão. Massimo Moratti, presidente do clube, está investindo alto na formação do time. Moratti não admite ficar sem o título italiano da temporada 2002/2003. Não será surpresa se o presidente da Inter bancar a dupla Ronaldo-Rivaldo. Os dois marcaram 13 gols na Copa do Mundo e foram apontados como os principais jogadores da Seleção Brasileira na conquista do penta. Os jornais italianos, sempre espalhafatosos, já lançaram essa idéia.Brasil inviável - O retorno ao futebol brasileiro está fora da realidade. Os seus agentes não trabalham com essa possibilidade. Nenhum clube daqui teria condições de pagar US$ 7 milhões de salários por ano. Nem mesmo 50% desse valor seria viável. Rivaldo disse domingo que gostaria de voltar ao Palmeiras. ?Se fosse para escolher, queria jogar no Palmeiras. Foi o clube que me projetou. É um sonho.?Não passa de sonho. Os cofres do Parque Antártica não têm cacife para sustentar um jogador desse quilate. A maioria está de pires nas mãos.Dinheiro mesmo, apenas na Inglaterra. O Manchester United desembolsou semana passada US$ 47 milhões pelo zagueiro Ferdinand, do Leeds, sinal evidente de uma grande saúde financeira. O clube vermelho, um dos símbolos do futebol inglês, andou namorando o meia brasileiro a temporada passada.As outras opções seriam Liverpool e Arsenal, que já garantiram passagem à Copa dos Campeões da Europa. Essa é uma das exigências de Rivaldo, que continua embalando a rede na sua mansão em Mogi Mirim (SP). Seus agentes em São Paulo estão encarregados de atender os telefones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.