Da tevê, Neto e Raí revivem clássico

Um clássico que fez a vida de dois astros. Corinthians x São Paulo já consagrou muito craque e, ao mesmo tempo, encerrou inúmeras carreiras. Para dois personagens, esse duelo de sete décadas foi decisivo para a decolagem de seus rumos profissionais. E até hoje lhes rende dividendos. É o caso de Raí e Neto, que trabalham como comentaristas de televisão. "Foi o maior clássico para mim", diz o são-paulino.O ex-meia, contratado a peso de ouro pelo clube no fim dos anos 80, vivia fase turbulenta no Morumbi. Bastou uma atuação de gala na final de um Paulista, em 1991, para que tudo passasse a ser diferente. "Foi uma das finais mais marcantes da minha vida", lembra Raí, autor dos três gols na vitória por 3 a 0. Daí para a frente, ganhou prestígio, tornou-se ídolo, iniciou uma fase riquíssima de títulos e entrou para a galeria tricolor como um dos mais importantes jogadores de sua história. "É incrível, mas os torcedores colocam uma vitória contra o Corinthians num nível de importância tão elevado quanto o de uma conquista de título mundial, como o que conseguimos contra o Barcelona (em 92)", conta. "Deu para sentir isso quando conversei com muitos são-paulinos, embora, para mim, a importância do Mundial seja incomparável."Neto virou astro da Fiel depois da conquista do Brasileiro de 90, o primeiro do Corinthians. Foi o comandante na fase de classificação e na final, contra o São Paulo. Mas o jogo mais marcante, em sua opinião, ocorreu pela semifinal do Paulista de 93. "Lembro que havia muito tempo que o Corinthians não ganhava do São Paulo. A partida estava disputada. Tivemos um pênalti, mas eu perdi. Só que, alguns minutos depois, fiz gol num lance em que todo mundo achou que eu estivesse impedido. Para mim, não interessava mais nada. Vencemos por 1 a 0 e chegamos à final."Pênalti, por sinal, não traz boa lembrança para Raí. Na semifinal do Brasileiro de 99, desperdiçou duas cobranças. Ou melhor, Dida fez duas defesas extraordinárias. O São Paulo acabou eliminado e o Corinthians foi para a final e ficou com a taça. "Os momentos seguintes ao jogo foram, talvez, os mais difíceis da minha carreira." Neste domingo, Raí não poderá matar a saudade do clássico. Durante o confronto, trabalhará como comentarista da TV Record na partida entre Santos e União São João. Ossos do ofício.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.