Dagoberto esquece rótulo de cai-cai e critica punições

Dagoberto sempre foi rotulado como um jogador cai-cai, que desmoronava ao simples toque de um adversário. A história, porém, agora é outra. E a mudança partiu do próprio atacante. "Foi uma coisa que eu percebi, tinha de ficar mais de pé, seguir nas jogadas, dividir bolas", disse o atacante. "Claro que nem sempre você consegue. Às vezes, o zagueiro não deixa mesmo."O exemplo claro da mudança foi o clássico contra o Palmeiras. Dagoberto levou diversas pancadas, mas se esforçou para continuar em pé, e ainda procurou usar a habilidade para passar pela defesa palmeirense, o que chegou a irritar os jogadores adversários. "Futebol é assim. Só falta proibirem o jogador de dar uma caneta, fazer um drible", afirmou.Além de novamente criticar Salvio Spínola, árbitro do clássico de domingo, o atacante do São Paulo bateu forte também no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Para ele, existe um exagero na punição do jogador por vídeo. "Logo vamos ter 20 caras sendo julgados ao mesmo tempo para ficar de fora do próximo jogo por conta de algum interesse pessoal. O que importa é o que juiz viu", discursou. Segundo Dagoberto, os árbitros se sentem pressionados. "Ficam repetindo os lances na televisão 300 vezes. Eu fui três vezes ao tribunal e não entendo", afirmou Dagoberto, que sempre foi absolvido das acusações de agressão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.