André Lessa/AE
André Lessa/AE

Dagoberto reacende briga pelo ataque titular do São Paulo

Ao lado de Washington, ele conseguiu dar mais mobilidade ao time contra o Santos; Borges pode voltar

21 de julho de 2009 | 11h09

Bastou Dagoberto voltar a formar dupla com Washington para recriar a velha dúvida de qual deve ser o ataque titular do São Paulo. Na vitória contra o Santos, os dois deram outra cara ao time e deixaram uma dor de cabeça para o técnico Ricardo Gomes. Isso porque o artilheiro Borges volta de suspensão nesta quarta-feira, 22, fora de casa, contra o Internacional, pelo Campeonato Brasileiro.

 

Veja também:

linkRicharlyson quer vencer Inter e iniciar luta pelo título 

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

Recuperado de uma lesão na coxa direita, que sofreu ainda na Copa Libertadores, Dagoberto comemorou sua volta ao time, mas prefere mesmo deixar a escalação para o técnico. O camisa 25 diz também não ter pressa para que a equipe reencontre o entrosamento.

 

"Escolher quem vai ser o titular é coisa para o Ricardo [Gomes], que chegou e está conhecendo os jogadores. Ele tem muita qualidade nas mãos, e tenho certeza de que quem for escolhido vai dar conta do recado", disse.

 

Mas não foi só Dagoberto que desconversou sobre a escalação do time para a 13.ª rodada. O próprio técnico despistou a todos e preferiu ressaltar o volume de jogo apresentado pela sua equipe. No entanto, deixou escapar que Washington deve continuar na equipe.

MISTÉRIO 

"Vocês vão ter que esperar um pouco mais. O Borges fez boas atuações e não tem como tirar um atacante que fez dois gols", disse Ricardo Gomes, lembrando os gols de Washington no clássico contra o Santos.

O comandante são-paulino afirmou também não temer as constantes brigas por uma vaga no ataque. Recentemente, Borges reclamou da reserva e até pensou em sair do clube. Antes dele, Washington já havia questionado a temporada no banco e saia claramente irritado a cada substituição.

"Não espero compreensão, mas não quero reclamação. Jogador pode vir conversar para entender os motivos, mas não reclamação", completou.

(atualizado às 12h47 para acréscimo de informação)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.