Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Daiju Sasaki terá assistência especial e tradutor no Palmeiras

Meia japonês receberá cuidados do clube para se ambientar ao Brasil; moradia será no alojamento da equipe

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

18 Agosto 2018 | 05h00

O meia Daiju Sasaki será tratado com atenção e cuidados durante os primeiros meses de Palmeiras. O japonês de 18 anos, emprestado por um ano pelo Vissel Kobe, chegou ao Brasil na quarta-feira, fez os primeiros treinos na Academia de Futebol e terá bastante auxílio do clube nos primeiros meses, com tradutor e atendimento do departamento psicossocial.

O reforço treinará com a equipe sub-20, ainda sem previsão de estreia. O Palmeiras não pretende, a princípio, fazer uma apresentação oficial e por enquanto prefere deixar a mais nova contratação longe dos holofotes. Além do contrato de empréstimo por uma temporada, a diretoria fechou a compra de 30% dos direitos econômicos do japonês.

Sasaki vai morar no alojamento do clube para garotos das categorias de base, próximo ao Allianz Parque. O japonês, portanto, não terá regalias de acomodação. O Palmeiras já mobilizou profissionais para ajudá-lo a se ambientar ao Brasil, em um processo semelhante ao que é feito com jogadores jovens trazidos de outros Estados. O plano é de ajudá-lo a se sentir à vontade em pouco tempo.

O garoto não fala português nem inglês. Por isso, terá a companhia de um tradutor nos primeiros meses. Na chegada ao Brasil ele ganhou a companhia de outros profissionais, como a de um diretor do Vissel Kobe que é fluente em português. Também lhe ajudam nos primeiros dias de Brasil o grupo de empresários participantes na negociação com o Palmeiras.

Sasaki criou um perfil nas redes sociais, atualizado por uma agência brasileira. Na quinta-feira o jogador foi almoçar em um restaurante japonês e antes disso, pela manhã, foi fazer treinos físicos. O contrato com o Palmeiras foi assinado no dia anterior.

Na noite de quinta o japonês foi ao Pacaembu ver a vitória do time sobre o Bahia, por 1 a 0, pela Copa do Brasil. Nesta sexta-feira, fez exames cardiológicos. No café da manhã no hotel em que ainda está hospedado ele não abriu mão de tomar a tradicional sopa de missoshiro, feita de soja.

O técnico Luiz Felipe Scolari promete observar a evolução da japonês e elogiou a iniciativa do Palmeiras de construir uma relação com o mercado asiático a partir da vinda do reforço. "Eu tenho alguma identidade com o pessoal no Japão, também, para quem sabe no futuro criar uma ponte. O Palmeiras hoje não é um clube apenas com ideia de Brasil, é com ideia do mundo", comentou.  

 

メディカルチェック終了 心臓問題なし! 検査ありがとうございました! #avanti

Uma publicação compartilhada por Daiju Sasaki (@daiju) em

PATROCINADORA DO BARCELONA

Tímido, mas animado com a vinda ao Brasil, Sasaki recusou oportunidade no Werder Bremen, da Alemanha, para se juntar ao clube. O Palmeiras observava o meia há algum tempo, principalmente pelas atuações na seleção de base do Japão e pelas seguidas viagens ao país asiático para a disputa de competições da base. Só neste ano foram seis idas, com seis títulos.

A negociação representa também a aproximação do Palmeiras com o mercado asiático, principalmente com o dono do Vissel Kobe, o bilionário Hiroshi Mikitani, cuja fortuna foi avaliada pela Forbes em mais de R$ 18 bilhões. O empresário é dono da Rakuten, empresa no ramo de comércio virtual e patrocinadora do Barcelona.

Pela ligação com o clube catalão o Vissel Kobe conseguiu trazer Andrés Iniesta depois da Copa do Mundo. O empresário também patrocina o Golden State Warriors, na NBA. Esse poderio e a abertura para dialogar chamaram a atenção do Palmeiras em estabelecer contato e abrir fronteiras no mercado asiático.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.