Caio Storti
Caio Storti

Damião não recebe mesmo depois de o Santos quitar salários

Atacante está emprestado ao Cruzeiro e acionou a Justiça para receber salários atrasados

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2015 | 20h34

Mesmo depois de a diretoria santista ter anunciado na terça-feira o pagamento de dois dos três salários em atraso, Leandro Damião continua sem receber. O atacante, que tem contrato com a equipe até 2018 e está emprestado ao Cruzeiro, acionou o clube na Justiça para cobrar dois meses de pagamentos atrasados, o 13º salário, fundo de garantia e férias. A ação foi protocolada pelo advogado Henrique José da Rocha na 4ª Vara do Trabalho, em Santos. A audiência foi agendada para 30 de março. 

Damião integra a longa lista de jogadores que acionaram a Justiça contra o Santos desde o ano passado e inclui Arouca, Mena, Aranha, Matheus Índio (no Vasco), Renê Junior (na China) e o goleiro Felipe.  

Damião foi emprestado com a condição de o clube mineiro arcar com 70% do seu salário, que recebe cerca de R$ 500 mil por mês. Sua passagem pelo Santos foi frustrante. A expectativa de que ocuparia o espaço deixado por Neymar e atraísse novos parceiros para o clube não se confirmou. Em 43 jogos, marcou 11 gols e passou a ser o principal alvo de críticas da torcida. O presidente Modesto Roma Junior, chegou a declarar que foi a pior contratação da história do clube. Em baixa, Damião tentará recuperar o prestígio no atual bicampeão brasileiro ao ocupar a vaga de Marcelo Moreno, que voltou ao Grêmio.


Leandro Damião foi a contratação mais cara da história do Santos e custou R$ 42 milhões. O valor foi pago ao Internacional com ajuda do fundo de investimento Doyen Sport. O Santos terá de ressarcir o grupo de investimentos Doyen Sports a partir do terceiro ano de contrato, com o acréscimo de 10% de juros ao ano e correções monetárias. Com isso, caso não consiga vender o jogador por um valor acima do investimento de R$ 42 milhões, o Santos terá de pagar o prejuízo ao grupo maltês com seus recursos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.