Danelon deve atrasar comissão da FPF

A Comissão de Inquérito que investiga possível manipulação de resultados em jogos do Campeonato Paulista não deverá cumprir seu objetivo de entregar o relatório ao Tribunal de Justiça Desportiva da FPF até segunda-feira, caso mantenha a disposição de ouvir Paulo José Danelon antes de concluir o trabalho. Isso porque os integrantes do grupo esperavam que o ex-árbitro aparecesse para depor até sexta, mas ele não comparecerá. ?O Danelon está disponível para ir à Federação, mas ainda não chegamos a um acordo sobre quando isso vai ocorrer. Deve ser na próxima semana??, disse nesta quarta-feira a advogada do ex-árbitro, Ilda Helena Rodrigues.Nesta quinta-feira, os integrantes da comissão voltam a se reunir no início da tarde e torcem para que dois convidados compareçam para depor: o empresário Nagib Fayad, o Gibão, e a mulher do ex-árbitro Edílson Pereira de Carvalho, Márcia. As presenças não foram confirmadas.?Esse pessoal é difícil. A gente não pode intimar. Eles falam que vão aparecer e não aparecem??, disse o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, presidente da comissão. Ele admitiu que as investigações já concluíram que duas partidas (Portuguesa Santista x União São João e Guarani x Atlético Sorocaba), ambas apitadas por Danelon, foram manipuladas. Mas a conclusão não é a mesma em relação a jogos dirigidos por Edílson, pelo menos por enquanto. ?Ele não modificou resultado no que se refere a influir no vencedor da partida. Pode ter influído no placar de América x Palmeiras (4 a 1 para o time de Rio Preto), mas não em relação ao vencedor. Já o Danelon é mais complicado??, explicou Nico Gonçalves.O TJD instaurou outro inquérito que apura as acusações de Edílson em depoimento ao STJD, de que foi pressionado por Reinaldo Carneiro Bastos, vice-presidente licenciado da FPF, e por José Manoel Evaristo, da comissão de arbitragem.No depoimento ao STJD, o ex-árbitro também citou Fran Papaoirdanou, presidente licenciado da comissão de arbitragem da FPF. Disse que o dirigente foi interpelá-lo no vestiário depois da partida entre Corinthians e São Paulo. ?O que aconteceu foi que o Corinthians acusou o Edílson de xingar o Sebá. Fui ao vestiário perguntar se ele tinha feito isso. Ele disse que não e fui embora. Estou à disposição da comissão para esclarecer o episódio??, defendeu-se Papaiordanou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.